quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Tenham lá calma!!!...(Parte 3) …Cavaco ainda é líder de facção e “nunca erra e raramente se engana”!!!


Ainda é cedo para comemorar o que quer que seja, ou voltar a ter esperança de ver o país a sair do buraco em que o meteram os último dez anos de governação (mais as consequências da herança cavaquista dos finais do século XX)…

É que Cavaco ainda está aí e tem a faca e o queijo na mão..

O homem que contribuiu para afundar o país por duas vezes, não vai abandonar o poder para o salvar:

- Da primeira vez como “homem rico”, enquanto primeiro-ministro, destruindo o aparelho produtivo do país e esbanjando os fundos europeus em betão, em empregos e negócios para os “boys” da facção e da banca , fazendo do consumo desenfreado e do empreendedorismo de “pato bravo” a sua ideologia de “capitalismo popular”,  cujos custos nos estão agora a ser cobrados, ideologia que contaminou a própria “esquerda;

- Da segunda vez , enquanto Presidente da República de facção, que deixou terreno livre a um governo que, governando para “além da troika”, destruiu a “classe média”, empobreceu o país, destruiu equilíbrios sociais, desrespeitou sistematicamente os compromissos constitucionais, correu com a juventude mais qualificada para a emigração, enfim, andou a “roubar aos pobres e remediados” cidadãos deste país para dar aos “ricos” mercados.

Fez tudo isso, colaborou em toda essa festa da “direita” e nunca se arrependeu. Antes pelo, contrário, está empenhado em defender, com unhas e dentes, a sua obra .

Para ele é mais importante garantir os compromissos com os especuladores financeiros (os “mercados”) do que os compromissos com os cidadãos (como se vê pelo modo como fechou os olhos às medidas anticonstitucionais do governo agora em gestão).

Cavaco vai lutar até ao fim para resistir a dar posse a um governo de “esquerda”, e por isso vai:

- primeiro, arrastar todo o processo pelo máximo tempo que puder, esperando qualquer desentendimento entre a “esquerda”, explorando, com a ajudazinha preciosa dos gobelzinhos do comentário politico e de uma  comunicação social nas mãos, ora da sua facção, ora dos “mercados” que defende, todas as contradições e vírgulas postas fora do lugar nos acordos à esquerda, como, aliás, já está a acontecer;

- segundo, ouvir todas as “personalidades” beneficiados por aquela política, que lhe dirão exactamente o que quer ouvir, e lhe darão os argumentos de que precisa para decidir contra a vontade do voto popular e dos seu representantes no parlamento ;

- terceiro,  através da sua  influência, com uma ajudinha de  Durão Barroso  e do PPE, colocar em movimento toda a máquina europeia da chantagem e do medo para travar qualquer tentativa em sonhar, sequer, com o fim do modelo “austeritério”.

- quarto, explorar até ao limite todas as possibilidades legais ou semi-legais para impedir a tomada de posse de um governo de “esquerda” e manter, nem que seja no modo de  “zombie”, a coligação de direita em gestão do país.

Mas, se mesmo assim não conseguir evitar a chegada ao poder de um governo do PS com apoio parlamentar à esquerda, vai deixar o terreno o mais minado que lhe seja possível e dificultar, quanto puder, a acção desse governo.

Quem ajudou o país a fundar-se por duas vezes, pode voltar a fazê-lo pela terceira vez.

Por isso, ainda é cedo para festejar…

Sem comentários: