quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Scott Matthews ontem em Lisboa

O cantor/compositor inglês Scott Matthews iniciou ontem em Lisboa, nos Estúdio Time Out, a sua digressão por Portugal.

A digressão serve para apresentar o seu ultimo álbum, The Great Untlod, já considerado um dos melhores editados em 2018.

Do folk ao blues, Matthews apresenta-se a solo, acompanhado pelas suas várias guitarras, da acústica à eléctrica, instrumento que domina como poucos.

Nascido em 1976, o cantor editou o seu primeiro álbum em 2006 e foi guitarrista de suporte na gravação de um álbum dos Foo Fighters nesse mesmo ano.

Aqui ficam alguns momentos do espectáculo de ontem:






Uma visita ao castro do Zambujal

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Venezuela : Nem Maduro nem Guaidó.



Não nutro, nem nunca nutri, qualquer ilusão sobre o triste destino da chamada “Revolução Bolivariana”, iniciada por Chavez em 1999, ano em que chegou ao poder, muito graças ao descrédito de um regime democrático corrupto e incapaz de combater a pobreza e a desigualdade.

Nos primeiros dez anos de governo, o chavismo tirou da pobreza e do analfabetismo milhões de venezuelanos, mas essa melhoria revelou-se estruturalmente débil, muito dependente das variações do preço do petróleo.

Quando Chavez morreu em 2013 e foi substituído por Maduro, já o chavismo tinha iniciado o seu percurso descendente a caminho do desastre social em que o país se encontra hoje mergulhado, minado pela corrupção e pela desorganização generalizada da economia.

A incompetência, a irresponsabilidade e a retórica demagógica de Maduro só contribuíram para agravar a situação, agravada pela existência de uma oposição dividida, e tão irresponsável e demagógica como Maduro.

Em 2013 Maduro ganhou as eleições, embora por uma pequena margem de diferença em relação ao seu adversário.

A oposição não reconheceu a vitória de Maduro, iniciando um período de violentas manifestações de rua que continuam até aos nossos dias.

Em 2015, contudo, essa mesma oposição, com base na mesma Constituição e no mesmo processo eleitoral que tinha dado a vitória a Maduro, ganhou a maioria no parlamento, sem questionar, desta vez o resultado. Pelo contrário, Maduro apressou-se, então, em reconhecer a derrota.

De forma irresponsável, em vez de ter enfrentado Maduro nas eleições de 2018, eleições das quais teria saído vencedora, a oposição resolveu boicota-las,enquanto  parte dos líderes da oposição estavam  presos.

Maduro voltou a ser eleito, com mais de 6 milhões de votos, num total de 9 milhões de votantes (quase 80% dos eleitores foram às urnas disputadas por três candidatos).

Aproveitando-se da incompetência da oposição, Maduro aproveitou a oportunidade para, de forma demagógica e irresponsável, violar a Constituição de 1999, retirar poderes ao parlamento e convocar uma fantochada eleitoral que levou à formação de um parlamento ilegal, e paralelo ao parlamento legitimo, chamado de Assembleia Constituinte, que visa criar uma nova Constituição, que substituía a de Chavez, aumentando o poder da presidência e permitindo a recandidatura de Maduro a um terceiro mandato.

Pelo meio de tanta irresponsabilidade de parte a parte, a Venezuela caiu numa crise económica e social profunda, a pobreza, que tinha diminuído drasticamente no inicio do chavismo, atingiu níveis nunca vistos na história da Venezuela e milhões de venezuelanos tiveram de fugir do país.

As sanções económicas impostas por  alguns países e o boicote dos grandes empresários contribuíram igualmente para agravar a situação da maior parte da população.

No meio do caos surgiu agora um novo demagogo ,que,  aproveitando-se da situação desesperada da população e da própria conjuntura internacional, se proclamou presidente interino.

Resumindo e concluindo:

- Maduro, em eleições manipuladas, pela ausência forçada, nuns casos, irresponsável, noutros, dos mais fortes candidatos da oposição, foi eleito presidente de forma que, sendo legal, é moralmente ilegítima;

- A Assembleia Constituinte, esmagadoramente dominada por apoiantes de Maduro, é toda ela ilegítima;

- O Parlamento, embora em final de mandato e desfalcado dos apoiantes de Maduro que dele faziam parte, é de facto o único órgão politico ainda com alguma legitimidade, mas que se deixou enredar na demagogia irresponsável de alguns líderes da oposição;

- O auto-proclamado presidente  Gauidó, abrindo um grave precedente para justificar qualquer situação idêntica que se passe pelo mundo fora, dando força a que outros sigam o exemplo de se auto-proclamarem presidentes perante um qualquer gigantesca manifestação de rua, uma atitude de legitimidade duvidosa, teve  o condão de alertar para a grave situação da Venezuela

Saída para a situação?

A ideal seria o diálogo entre as partes  e a convocação de Eleições Parlamentares no mais curto espaço de tempo e novas eleições presidenciais num prazo mais dilatado, talvez de um ano.

Para isso era necessário que vivêssemos numa era de consensos e diálogo nas relações internacionais e onde o ONU tivesse peso, o que não acontece na actualidade

Infelizmente não existem condições para esse diálogo, aliás já afastado pela oposição.

Assim, o que se previsivelmente se  vai passar é uma das seguintes situações (ou um pouco de todas elas):

- Um banho de sangue perpetrado  por Maduro contra a oposição:

- Um golpe de Estado sangrento, à Pinochet, depondo Maduro;

- Uma guerra Civil igualmente sangrenta.

Pobre povo venezuelano tão irresponsavelmente liderado e com um “alternativa” na oposição igualmente tão irresponsável e demagógica, que se tornou o joguete de obscuros interesses económicos e financeiros e da arrogância incompetente das principais lideranças internacionais.

Se a oposição é mal acompanhada por Trump ou Bolsonaro, Maduro está acompanhado por outros facínoras, como Putin ou Edrogan.

Entretanto a União Europeia, que podia surgir como força de diálogo,  vai seguir quem os interesses financeiros ordenarem que siga, dando mais uma vez tiros nos pés, como fez no Iraque, no Médio Oriente, no Norte de África, na Ucrânia, na Turquia ou na Rússia, talvez para tentar fazer esquecer os seus próprios “Maduros” (na Hungria, na Polónia e noutros países do leste).

Por sua vez, neste como noutros casos, a  preocupação da comunicação social não é esclarecer a verdade mas tomar partido, apresentar uma "realidade" a preto e branco, de "bons" contra "maus", e a  preocupação dos líderes mundiais não é a defesa dos Direitos Humanos, da liberdade e da Democracia, mas apenas os interesses estratégicos e políticos da agenda de cada um e os servir os grandes interesses financeiros ligados à actividade petrolífera e que especula com a dívida da Venezuela.

Pobre povo da Venezuela que, mais uma vez, e como tem acontecido noutros pontos do mundo, não tem o destino nas suas mãos.

Por tudo isso, é de temer o pior.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

EPHEMERA - "10 Anos aos Papéis"

O  projecto Ephemera, liderado e organizado por José Pacheco Pereira, quando comemora 10 anos de actividade, teve ontem um momento marcante com a visita do Primeiro-ministro António Costa, e da Ministra da Cultura às instalações do Barreiro.

O Espaço do Barreiro é a "fábrica" onde se seleccionam e classificam os materiais doados e recolhidos por voluntários de todo o país.

Aqui fica uma pequena mostra do dia de ontem:





































Micah P. Hinson, musico folk no MusicBox

Foi na passada 4ª feira que Micah P. Hinson, a mais jovem revelação do folk norte-americano, actuou no MusicBox, em Lisboa.

Na senda de um Woody Guthrie ou de um Pete Seegar, mas com temas da actualidade norte-americana, esta musico tem bastantes fãs em Portugal, como se viu na sala completamente cheia do MusicBox, a sala alternativa do Cais do Sodré.

Aqui ficam alguns momentos dessa actuação: