quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

BLITZ…acabou o papel!


Acaba de sair para as bancas o último número da revista Blitz.

Revista fundada em 1984, então em formato de jornal e semanário, tornou-se na principal revista de referência dos amantes da musica popular.

Por esse tempo, participando no movimento das rádios locais, a compra regular das edições semanais do jornal era um momento fundamental para acompanhar as novidades e revelações do mundo da musica, auxiliar fundamental para quem mantinha programas de rádio que procuravam ser originais, embora esses programas procurassem ser muito mais que um gira discos radiofónicas.

Graças ao Blitz descobri muitos dos grupos que me acompanharam como “banda sonora” desses dias das décadas de 80 e 90.

Mais tarde o Blitz transformou-se em revista e mensário e deixei de a acompanhar com a regularidade da sua fase anterior, até porque os meus interesses se viraram para outros temas e me desiludi depressa das rádios locais, que perderam toda a sua irreverência, criatividade e novidade.

Hoje o Blitz despede-se dos seu leitores, editando a última edição em papel, embora mantendo uma edição digital.

E despede-se em grande, reproduzindo um longa e inédita entrevista com o Zé Pedro, onde ele se refere ao célebre concerto dos Xutos, na praia de Santa Cruz, ao qual me referi em post anterior (AQUI).

É com um excerto dessa referência que me despeço deste original projecto editorial, mais uma vitima dos “novos tempos” digitais:


“Lembro-me que, num dois primeiros concertos que tivemos, com os Minas & Armadilhas, no antigo Casino da Praia de Santa Cruz, as bandas dormiam no palco. Tocávamos duas noites e nem saiamos dali. De manhã eu e o Kalú estávamos a ressacar e, entre cervejas eu digo-lhe: “nós vamos ser a melhor banda de Portugal. Ainda havemos de fazer a primeira parte dos Rolling Stones, vais ver. Escreve aquilo que te estou a dizer: vamos ser abanda número 1 em Portugal”. E isto no segundo ou terceiro concerto que demos. Não sei como explicar, mas tinha essa convicção e incutia isso neles. E quando fizemos a primeira parte dos Rolling Strones, o Kalú lembrou-se: “dissemos isto há anos!” (…)”.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

O Cartoon do Dia (Catalunha)


Seja qual for o resultado: …que viva a Catalunha, Rajoy nunca mais!


Portugal deve à Catalunha o facto de ser um país independente (…para o bem e para o mal…!!).

Além disso, a Catalunha é uma das regiões mais criativas e culturalmente dinâmica de toda a Península Ibérica.

O actual processo politico tem provocado grande instabilidade e divisões insanáveis na sociedade catalã e está a destruir toda a dinâmica dessa grande nação.

Por tudo isso, desejo que o actual processo eleitoral resulte num virar de página na insustentável situação catalã, principalmente porque os catalães merecem mais do que aquilo que lhes está a acontecer.

Provávelmente o resultado das eleições de amanhã não vai alterar o equilíbrio de forças que se vive actualmente naquele país, com a sociedade dividida salomonicamente entre “unionistas” e “independentistas”.

Se os “independentistas” mantiverem a maioria anterior e vencer um dos seus partidos, o impasse vai-se manter e única solução é a negociação.

Esta situação será uma derrota para Rajoy e este só terá um caminho: demitir-se e convocar eleições para a Espanha.

Se, pelo contrário, os “unionistas” tiverem maioria, mesmo parcial, a situação vai agravar-se e o diálogo vai tornar-se impossível, com Madrid a fazer gato sapato dos catalães, radicalizando os independentistas, conduzindo a situação a um desfecho imprevisível.

Mas, se os “unionistas” vencerem, vão ficar a dever essa vitória ao crescimento eleitoral do “ciudadanos”, um partido da direita neoliberal, o mais falacioso partido do actual panorama politico espanhol, e só poderá vencer à custa da redução do PP e do PSOE à irrelevância politica.

Assim, esta será uma vitória de Pirro para Rajoy, que ganhará…perdendo…e, a prazo, Rajoy só tem um caminho…a demissão e a convocação de eleições antecipadas para a Espanha.

Resta, no meio da confusão, a inesperada serenidade do “Podemos” que, nestas eleições, se perfila como partido charneira entre independentistas e unionistas, o único que pode ter condições para aproximar as duas posições. Assim, se nem “independentistas”, nem “unionistas” tiverem maioria absoluta, a votação do Podemos será decisiva e a única a ter alguma utilidade.

Aconteça o que acontecer, o que desejamos para amanhã é …que viva a Catalunha… e seja o inicio do fim de Rajoy…

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Portugueses no Holocausto - uma exposição no CCB

"Trabalhadores Forçados Portugueses no IIIº Reich - memória, responsabilidade, futuro" é o título de uma exposição que está no CCB (sala no 1º andar da entrada sul) e pode ser visitada até 22 de Janeiro de 2018.

A exposição e os vários materiais aí revelados tem por base um trabalho de investigação académico, pioneiro, liderado pelo professor Fernando Rosas, realizado pelo Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, com base numa equipa de cinco investigadores, entre eles a torriense Cristina Clímaco.

A exposição revela o uso de trabalhadores forçados para apoiar a economia nazi, não só no esforço militar, mas também por muitas empresa alemãs, alguma ainda existentes.

Entre esses trabalhadores estiveram muitos portugueses e este é o tema fulcral desta exposição, que enquadra a situação destes no contexto da 2ª Guerra.

Embora nem todos os trabalhadores portugueses fossem forçados, muitos acabaram no esquema do trabalho forçado, que usava a rede de mais de 40 mil campos de concentração existentes na "grande Alemanha" como base de recrutamento.

Embora nem todos esses campos fossem campos de extermínio, sabe-se que cerca de 70 portugueses viveram, e muitos morreram, nestes campos.

Esta exposição procura assim homenagear os muitos portugueses que viveram o terror nazi.

A revista Visão História editou um número especial dedicado a esta exposição e que é um excelente auxiliar para acompanhar a visita.

Aqui deixamos algumas imagens dessa exposição.



































quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Honestidade e solidariedade …duas coisas “raríssimas”!


Começo com uma pergunta:

Alguém conhece uma Associação privada de Solidariedade Social que pague aos seus dirigentes um ordenado de três mil euros e outro tanto de ajudas de custo, e que pague a um consultor 63 mil euros anuais pela colaboração?

Eu pensava que ninguém conhecia, nem havia disso em instituições privadas, financiadas pelo Estado, principalmente quando essas instituições dizem ter um carácter solidário e caritativo.

Agora fico a saber que existe uma Instituição que pagava aqueles valores à sua directora, Paulo Brito Costa, e a um consultor, que era, “por acaso” o demitido secretário de Estado da Saúde Manuel Delgado e, ainda por cima, a primeira usava muito do dinheiro dessa Instituição em proveito pessoal e o segundo usava o seu poder para dar a essa Instituição e à sua mentora privilégios que não estão acessíveis à maior parte das instituições do mesmo género, muitas delas lutando pela sobrevivência diária.

E, o que é mais grave, é que desconfio que este caso não será o único!

E já agora, como é que gente tão bem relacionada no meio, desde o actual Presidente da República ao actual Ministro da Solidariedade Social, passando por Leonor Beleza e Maria de Belém, desempenhavam funções e colaboravam com aquela Insituição e nunca deram por nada???

Penso que, se se puxar o fio à meada, muita àgua vai correr, e é toda uma geração de políticos, economistas, gente do “jet-set”, interesses farmacêuticos e financeiros, que nos conduziu ao descalabro dos últimos vinte anos, que terá de prestar contas, indo fazer companhia a Sócrates, Delgados, Duarte Limas , e a “tecoformicos” vários…

Se houver coragem é o fim definitivo do “centrão!

Os anos de Sócrates e da Troika, mais a propaganda neoliberal do “menos Estado e mais negócios”,  criaram uma situação onde a honestidade, a verdadeira solidariedade e o respeito pelos mais fracos se tornaram…uma coisa RARÍSSIMA!!!


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Lu Nan, o fotógrafo da China esquecida

Lu Nan, fotógrafo chinês da
Magnum (ver AQUI) , pode ser descoberto agora em Lisboa. No Museu Berardo,  em Lisboa, até 14 de Janeiro (ver mais clicando em cima).

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A “Minha Vida” com Os Xutos e Pontapés..


Acompanhei o percurso dos Xutos desde os primeiros tempos.

Ainda me lembro de, para grande pena minha, não ter na altura  dinheiro para os ver, ainda uns quase ilustres desconhecidos, no “Casino” de Santa Cruz, num verão lá para os finais da década de 70 (provavelmente em 1979, já que esse foi o ano oficial da sua fundação).

Actuavam juntamente com outro grupo da época, os “Minas de Armadilhas”, na altura os seus principais rivais no panorama “punk” nacional.

Apesar de não ter podido assistir a esse concerto, que foi um dos primeiros dos Xutos ao vivo, a frustração de não os ter podido ver foi compensada pelo reencontro, nas ruas de Santa Cruz, de um amigo, o Rui do D. Pedro V, (não me recordo do apelido, mas vivia na Avenida de Roma e depois, com os anos perdi-o de vista…até hoje), que era menager de um desses grupos (fiquei com a idéia que era dos Xutos, mas talvez fosse dos Minas e Armadilhas !!??).

A partir de aí fui seguindo a carreira do grupo, bastante inovador, com letras que retratavam bem uma juventude suburbana e a irreverência punk, acabando por desembocar no sempre eterno rock and roll.

Não sei nomear todos os espectáculos dos Xutos a que assisti posteriormente, geralmente em festivais, sem esquecer a sua presença sempre habitual nos palcos das festas do Avante.

Recordo-me, contudo, de uma passagem de ano, penso que a de 1980 para 1981, no antigo refeitório da Cidade Universitária, onde os Xutos eram a banda principal, mas que tiveram de interromper abruptamente a sua actuação, não sei se ainda antes da hora da passagem de ano, e todo o pessoal foi evacuado do pavilhão, porque alguém de ente o público tinha sido esfaqueado, num ambiente “normal” entre a geração punk .

Entretanto ,vi-os pela última vez no Rock in Rio de 2012, já a banda consagrada dos nosso dias, numa actuação que quase fez esquecer os grandes nomes que já por ali tinham passado nesse dia (os Kaiser Chiefs e os James) e o que actuou a seguir a eles , o grande Bruce Springteen…

Estou convencido que, apesar do desaparecimento trágico do Zé Pedro, a banda tem todas as condições para continuar por muitos e mais anos.

Como alguém dizia, os Xutos são um daqueles grupos com quem mais de 90% dos portugueses se cruzaram, pelo menos uma vez na vida, num qualquer espectáculo ao vivo e para quem qualquer tema seu é um tema da nossa vida.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Dijsselbloem em cartoon´s - uma figura que só deixa saudades aos cartoonistas

O Homem que liderou de forma desastrosa o Eurogrupo, tendo contribuído para aumentar as divisões e as desigualdades entre os Europeus, vai finalmente sair de cena no próximo dia 13 de Janeiro.

Os holandeses já correram com esse racista  há muito tempo.

Por cá não deixa saudades e representou o pior que existe entre os burocratas de Bruxelas.

É caso para dizer..."adeus, até nunca mais".

Aqui se recorda a sua "acção", que quase conduziu à destruição do euro e da Europa e que tanto sofrimento causou em Portugal , numa recolha de cartoon´s, que retratam bem essa tenebrosa figurinha: