quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Ziraldo recebe o Prémio Quevedos, para a ilustração humorística



O brasileiro Ziraldo, cartoonista e autor de Banda Desenhada, recebeu ontem o Prémio Quevedos pela sua trajectória profissional. O Prémio Quevedos é o equivalente, no humorismo gráfico, ao Prémio Cervantes para as letras.

A homenagem decorreu em Alcalá de Henares, com a presença do Ministro da Cultura de Espanha, por ocasião da XVI Mostra de Humor Internacional de Humor Gráfico de Alcalá de Henares, que decorre nesta localidade próxima de Madrid até ao próximo Domingo.
Ao longo dessa mostra decorrem exposições, conferências e actividades relacionadas com o cartoon e a Banda desenhada humorística.
Ziraldo Alves Pinto, nascido em Minas Gerais em 1932, foi agraciado pelo conjunto da sua obra.
No Brasil Ziraldo é muito popular, tendo criado diversas personagens usados em selos comemorativos, em ilustrações de livros e revistas e em campanhas publicitárias públicas e privadas
O seu nome artístico deriva da combinação do nome da sua mãe, Zizinha, com a do seu pai, Geraldo.
Embora a sua área de estudo tenha sido o Direito, sempre se interessou pelo desenho, usando todo o tipo de suportes para desenvolver a sua criatividade, sendo um artista poli facetado, pintor, cartoonista, jornalista, desenhador e pintor.


Iniciou a sua carreira como ilustrador em “Era uma vez”, mas só anos depois, em “A Folha de Minas” criou a sua primeira página de humor.
É em 1963 que inicia a publicação de uma tira diária no “Jornal do Brasil”, que durou vinte anos. Entretanto a sua obra conheceu uma divulgação internacional, sendo publicada no Reino Unido, França, Estados Unidos…
Foi também nos anos 60 que criou a primeira revista brasileira de banda desenhada, “Saci Pererê”, nome de uma das mais famosas personagens por si criadas e que conheceu também grande divulgação em Portugal.
Durante a ditadura militar, que durou vinte anos (de 1964 a 1984), teve de interromper a publicação daquela revista, juntando-se então a um grupo de humoristas que fundaram um periódico inconformista com o regime, “O Pasquim”.
A partir de 1969 começou também a dedicar-se à criação e edição de livros infantis. Nesse mesmo ano recebeu em Bruxelas o Prémio da Academia de Humor, sendo posteriormente premiado com outras distinções. Foi o primeiro artista latino a ser convidado pela UNICEF para desenhar os seus cartões.


A sua maior distinção como autor de livros recebeu-a em 1980, na Bienal do Livro de São Paulo, como autor de livros para crianças.
O Prémio Quevedo será um dos pontos altos do seu reconhecimento internacional.















ALGUNS AUTORES PRESENTES NA XVI MOSTRA DE HUMOR DE ALCALÁ DE HENARES.



Cartoon de “Arcadio”, da Costa Rica.

 Cartoon do espanhol Caín.



Autor: Calarcá, da Colombia.



Cartoon do Argentino Corne.



 Oktan, da Turquia.


autor: Yépez de Porto Rico.

Sem comentários: