sexta-feira, 19 de outubro de 2012

"Capital-Comunismo", o filho da Globalização...




Não deixa de ser curiosa a posição de alguns “empresários” (eu diria antes, patrões…), ideólogos da direita neoliberal e políticos do sistema, que passam a vida a perorar contra os trabalhadores e os sindicatos “controlados por comunistas” , ao mesmo tempo que defendem “reformas” estruturais, com a finalidade de destruir os direitos sociais e o valor do trabalho, tendo por objectivo agradar aos “mercados”, aos “investidores” internacionais e aumentar a “competitividade” com os “países emergentes”.

E quais são os países emergentes e os "mercados" aos quais essa gente pretende agradar, baixando salários, destruindo o Estado Social e retirando direitos?

Nada mais, nada menos que, por um lado, o último bastião do comunismo selvagem, a China, o último bastião da corrupção moral e social comunista, Angola, e por outro, países como a Colômbia, um exemplo de uma economia emergente que cresceu com o negócio do narcotráfico, a Rússia, reconstruida com o poder económico das máfias de leste, ou a Índia, o pior exemplo do capitalismo mais selvagem e miserável.

São estes os exemplos que os nossos “empresários”, ideólogos da direita neoliberal e políticos do centrão nos pretendem impingir como “alternativa” e como destino.

Andam muito preocupados com os “comunistas” de cá, mas estão sempre prontos a vender as empresas nacionais e negociar com países como a China, onde se combina o pior do comunismo em termo de falta de liberdade, com o pior do capitalismo, em termos de exploração vil de quem trabalha, ou com países como Angola, dominada por um partido “marxista”, que lança o povo na miséria ao mesmo tempo que garante as grandes fortunas das elites construída à volta do poder corrupto do MPLA, com a conivência dos criminosos da UNITA.

Aquilo que era impensável, ainda não há muitos anos, a rendição dos modelos social-democrata  e democrata cristão do ocidente (construtores, com altos e baixos e com imperfeições,  daquilo que era um dos modelos mais conseguidos na história da humanidade, combinando o respeito pelos direitos humanos, com o respeito pelos direitos sociais e um desenvolvimento económico harmonioso) aos modelos corruptos e corruptores do “comunismo” chinês,  do narcotráfico do leste e latino-americano,  da corrupção das elites petrolíferas do médio-oriente, e da exploração selvagem da mão-de-obra na Índia, na Ásia e na África. 

Agradar aos “mercados” que enriqueceram à custa destes modelos,  tornou-se hoje a principal motivação política da União Europeia, dominada por uma elite incompetente e desumanizada e conivente com esses “mercados”.

Isto vai acabar mal…mas pelo meio alguns vão ganhar muito dinheiro, os tais "empresários" e políticos  que referimos acima…

Sem comentários: