terça-feira, 6 de outubro de 2015

Respigo da Semana - Ana Paula Alexandre : “Sinto-me estrangeira num país em que 38% ainda quer viver ajoelhado “


“Pertenço a um país, em que cerca de 38% dos que hoje votaram, defendem objectivamente que:

“a) menino pobre é para trabalhar nas obras, escola para todos é um luxo num país como o nosso;

“b) velhinho com baixa reforma deve aguentar a doença e ficar muito grato se tiver uma consulta ao fim de 2 anos;

“c) quem trabalha deve contar o dinheiro e não comprar um brinquedo para os filhos, porque o banco está a ir à falência e precisa que lhe paguem os prejuízos;

“d) liberdade é escolher qual o patrão que nos vai escravizar e deixarmos de estar desempregados, porque aceitamos receber uma esmola ou até aceitamos receber apenas a promessa de que um dia, se nos esforçarmos muito, pode ser que a cabeça bondosa do patrão nos compense;

“e) devemos resignarmo-nos e agradecer a Deus o pão de cada dia, quando ele existe e rezar para que ele apareça amanhã, se hoje a mesa estiver vazia e a mais não somos obrigados;

“f) pobre tem direito a emigrar e a sentir saudade ;

“g) os empresários devem ser socialmente protegidos porque, sem eles, deixávamos de ser país; uma fábrica sem trabalhadores funciona normalmente, agora sem patrões…

“h) dignidade da pessoa humana é coisa para discurso do Papa, fica bem falar nela, mas reivindicá-la todos os dias é impossível, nascemos com coluna vertebral para andarmos curvados e essa é a posição normal, para ficarmos no nosso cantinho, aconteça o que acontecer, curvadinhos a olhar para o chão, que olhar para o sol encandeia a vista…

“i) os arrogantes e incompetentes devem ser premiados, por isso, devem ser escolhidos para todos os lugares de poder, desde o governo, até ao chefe do serviço de limpeza lá da empresa, por terem o perfil adequado para dar ordens nesta sociedade em que vivemos;

“j) a mentira deve ser elevada à qualidade maior do ser humano, e deve ser um valor a ter em conta na educação dos nossos filhos, porque se aprenderem a mentir bem, serão gente empreendedora e de sucesso;

“k) a ordem natural das coisas é a vítima gostar do agressor, o escravo adorar quem o algema, e, portanto, é natural sermos um povo que agradece, venera e vota em quem o roubou todos os dias, quem o reduziu à miséria todas as semanas, quem o exportou todos os meses e quem o sufocou durante 4 longos anos.

“Sinto que, só por engano à nascença, posso ter a mesma nacionalidade no bilhete de identidade. Sinto-me estrangeira num país em que 38% ainda quer viver ajoelhado”.


Ana Paula Alexandre, 4 de Outubro de 2015

1 comentário:

Faty Motinha disse...

38%? Eu acho que os que votaram no outro partido do "arco, também eles gostam de se ajoelhar se não com 2 pelo menos com 1 joelho.