quinta-feira, 11 de maio de 2017

Um Diamante no meio do pechisbeque


 
Se há momentos em que nos sentimos orgulhosos  de sermos portugueses é quando ouvimos Salvador Sobral a cantar em português e a sobressair no meio da chungaria pimba que desfilou, e vai continuar a desfilar hoje, no mais rasca dos espectáculos europeus.

Que a pimbalhada armada ao fino no meio da pirotecnia seja a imagem de marca do Festival da Canção ninguém se admira.

Que o Festival da Canção seja hoje uma imagem do “europeísmo” rasca do gosto kitch da elite mafiosa do leste europeu e que apenas entusiasma o gosto estereotipado do público do leste, já ninguém se admira.

O carácter Kitch-pop do Festival faz parte do seu ADN, mas antigamente ainda podíamos ouvir musicas menos normalizadas, noutras línguas que  não o inglês, e até surgiam, de vez em quando, vozes e temas que se tornavam eternos.

Hoje dominam as vozes e os ritmos normalizados pelos “chuvas de estrelas” que se repetem, sem um pingo de originalidade ou criatividade, pelas televisões da globalização, e que têm os seus cinco minutos de fama no moribundo Festival da Eurovisão, espécie de prostituta velha enfeitada de pechisbeque.

No meio dessa “trambalhada”   caiu um “ovni”, uma canção sentida, bem cantada, com alma e conteúdo, mesmo que o tema seja o do eterno amor, ainda por cima cantado sem vergonha e sem artifícios na língua de Camões.

Mesmo que não ganhe, como devia ganhar se houvesse critério de qualidade e criatividade, Salvador Sobral já ganhou o respeito de todos nós.

Sobral é um diamante a brilhar no meio de pechisbeque falsificado e perdurará muito para lá dos efémeros holofotes que disfarçam a decadência do Eurofestival.

….Força Salvador!!!
Enviar um comentário