terça-feira, 1 de julho de 2014

O respigo da semana : "Marcelo, Miguel, o BES e nós", por João Miguel Tavares:

Já nos referimos várias vezes por aqui à misturada entre políticos do centrão, banqueiros e comunicação social.

A propósito da bola de neve que se vai avolumando sobre o caso BES e das suas guerras familiares, começa-se agora a descobrir o poder que esse banco e a família a ele ligado têm em Portugal, movendo influências entre a classe política dominante e controlando a opinião pública.

Essa rede de influências, que envolve até alguns conhecidos comentadores da nossa praça, está acima de qualquer tribunal Constitucional ou de qualquer “Constituição Comunista”, como alguns comentadores de direita gostam de classificar esse documento fundamental para o regime democrático.

Acima da liberdade, da lei, da Constituição “comunista” ou da própria democracia pluralista, essa rede de influências é a principal responsável pelo estado a que o país chegou.

A última crónica de João Miguel Tavares, um dos mais lúcidos, independentes e criativos comentadores da direita (como o próprio se designa), é, nesse aspecto, insuspeita e coloca o “dedo na ferida” deste regime caduco em que vivemos, sendo por isso a nossa escolha para o “respigo da semana”:

“Marcelo, Miguel, o BES e nós"

Por João Miguel Tavares

In Público de 1 de Julho de 2014

(crónica semanal “0 RESPEITINHO NÃO É BONITO”).

“Pergunta do milhão de euros: como é possível que um caso com a dimensão do BES só se conheça agora? Como é possível que nós, gente dos jornais e da comunicação social, tenhamos tido ao longo dos anos notícia de tantas pontas soltas - basta ver o número de casos em que o banco esteve envolvido mas ninguém tenha sido capaz de unir as várias pontas e perceber aquilo que realmente se estava a passar?

“A resposta é óbvia: porque a família Espírito Santo é demasiado grande e o país demasiado pequeno. Enquanto a família esteve unida, formou um bloco inexpugnável, pela simples razão de que o seu longo braço chegava a todo o lado, incluindo partidos (alguém já ouviu António José Seguro, sempre tão lesto a dar palpites sobre tudo, comentar o caso BES?), comunicação social (quem não se recorda do corte de relações com o grupo Impresa em 2005, na sequência de notícias sobre o envolvimento do BES no caso Mensalão?) e até aos próprios comentadores, por via das relações pessoais que Ricardo Salgado mantém com gente tão influente quanto Marcelo Rebelo de Sousa ou Miguel Sousa Tavares.

“Ora, ninguém à face da terra possui uma independência inexpugnável. Isso não significa que todos tenhamos um preço - significa apenas que somos condicionados por relações de amizade ou de sangue e que nesse campo uma família de 300 membros, que há décadas se move na alta sociedade portuguesa como peixe na água, acaba por chegar a quase toda a gente que interessa. O próprio Sousa Tavares referiu essas ligações há um ano, numa entrevista à Sábado: “O Ricardo Salgado é sogro da minha filha e avô de netos meus. Além disso, somos amigos há muitos anos, porque eu fui casado com uma prima direita dele. Nunca o critiquei e nunca o elogiei, porque acho que não se fala da família em público.” Pode apontar-se a Miguel Sousa Tavares muita coisa - eu já o fiz -, mas não falta de independência ou coragem. Simplesmente, quando o caso BES atinge esta dimensão, o silêncio de alguém com a sua importância torna-se efectivamente um favor a Salgado. Não há como fugir a isso. 

“Mas se Sousa Tavares não fala sobre o tema e já justificou porquê, o mais influente comentador português - Marcelo Rebelo de Sousa - necessita urgentemente de aproveitar algum do seu tempo dominical para fazer a sua declaração de interesses em relação aos Espírito Santo. E essa declaração é tanto mais premente quanto nas últimas semanas tem vindo a defender a solução Morais Pires, considerando até que a impressionante queda das acções do BES na passada semana era coisa “inevitável”, visto estarmos perante “um novo ciclo”. Que essa queda tenha acontecido exactamente por não estarmos perante um novo ciclo parece não ter passado pela sua cabeça, habitualmente tão veloz e atenta.


“Não admira, pois, que Nicolau Santos tenha chamado a atenção no Expresso para o facto de Marcelo e Ricardo Salgado já terem passado juntos “várias vezes férias no Mediterrâneo”. E,   já agora - acrescento eu - que Rita Amaral Cabral, há longuíssimos anos companheira de Marcelo, como é público, seja actualmente administradora não executiva do BES, e, entre 2008 e 2012, um dos três membros da comissão de vencimentos do banco. Marcelo, como todos sabemos, nunca teve quaisquer problemas em criticar aqueles que lhe são próximos. Mas há factos que devem ser verbalizados - porque é precisamente destes pequenos segredos que vive o regime que nos trouxe até aqui”.

Sem comentários: