sexta-feira, 20 de junho de 2014

Lancem um imposto sobre o disparate!! : Lobo Antunes defende que não havia opressão intelectual na Acção Católica no Estado Novo.

O Dr João Lobo Antunes é um eminente neurocirurgião aposentado, um cientista de valor inquestionável, mas que políticamente sempre foi um ultra reaccionário. Daí não vem mal nenhum ao mundo. Ainda vivemos em liberdade e e em democracia e cada um é livre de dizer os disparates que lhe apetece.

Felizmente, para todos nós, João Lobo Antunes dedicou-se à medicina e não à política e, na sua profissão, os portugueses devem-lhe muito.

Contudo o dr. Lobo Antunes, quando se põe a fazer comentários políticos ou a reescrever a "história", só diz asneiras e falsas verdades e pensa que a História se resume ao seu umbigo e á sua experiência de vida.

Dizer que não havia opressão intelectual no Estado Novo sobre as opiniões que a Igreja tinha é uma meia verdade. De facto, no geral, e até aos anos 60, a Igreja era um dos pilares do Estado Novo e por isso até se podia dar ao luxo de,  de forma inócua, fazer umas críticas pontuais ao regime, que não o beliscavam e até serviam para dar uns ares "democráticos" ao salazarismo. Talvez fosse a isso que Salazar se referia ao dizer que o Estado Novo era tão democrático e livre como a democrática Inglaterra (mais ou menos por estas palavras)!!!!.

Contudo, quando essas opiniões não eram tão inócuas para o regime como eram as da Acção Católica, muitos católicos sofreram na pele a "tolerância" do regime, que o digam o Bispo do Porto, mal usado nas declarações de Lobo Antunes, que conheceu o exílio por causa das suas opiniões, ou os participantes na vigília da capela do Rato, ou os padres africanos que foram perseguidos por denunciarem os crimes do colonialismo.

As palavras de Lobo Antunes são mesmo uma ofensa para esses católicos que desafiaram o regime e foram penalizados por isso nas suas vidas.

Ainda mais grave que as palermices ideológicas do Dr. Lobo Antunes,são alguns dos comentários que foram postados na página da Antena 1 sobre essa notícia, que té envergonharão o próprio médico, revelando de que forma o branqueamento que tem vindo a ser feito sobre o regime do Estado Novo está a produzir os seus efeitos nefasto contra o regime democrático.

Os que nos procuram impor o clima de austeridade em que vivemos começam a perceber que só nos conseguem impor o seu programa destruindo a democracia, e por isso essa gente começa a ter necessidade de opiniões "prestigiadas" como as de Lobo Antunes para justificar os ataques ao regime democrático e convencer-nos da "bondade" de um regime ditatorial como foi o salazarismo.


Sem comentários:

</