terça-feira, 29 de abril de 2014

Os PIIGS e as Pérolas do Porcos da Troika (sem ofensa para os porcos, que até são animais inteligentes...)


Sindicatos dizem que recuo do Governo sobre indemnizações por despedimento ilegal era "inevitável" - PÚBLICO (clicar para ler notícia)

As longo destes últimos anos temos sido surpreendidos pelas pérolas porcas dos senhores da Troika sobre os PIIGS (a designação com que essa gente classifica em pensamento e actos os países do “sul” da Europa : Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e “Spain”) .

Entre muitas outras, aquela de que os salários são altos, trabalha-se pouco, vivemos acima das nossas possibilidades…

Na realidade, tudo não passa de um conjunto de mentiras , várias vezes repetidas, tornando-se assim “verdades”  convenientes, para poderem impor o seu programa de “reajustamento”, ou seja, de roubo generalizado aos trabalhadores, pensionistas e contribuintes para pagarem os desvarios do mundo financeiro e a possibilidade dos burocratas das instituições Europeias e das instituições financeiras internacionais continuarem, esses sim, a viver acima das suas possibilidades.

Para tal contam com uma poderosa máquina de propaganda, como a maior parte dos jornais e jornalistas de economia, políticos do arco do poder, comentadores de serviço, instalados de armas e bagagens na maior parte da imprensa de referência, em especial nos órgãos de comunicação massificados, como o são a maior parte das televisões.

É assim que essa gente tem o desplante de continuar a defender cortes salariais e nas pensões, as quais, na maior parte do “PIIGS” , estão muito abaixo da média europeia, nomeadamente  se comparados com os países que controlam as decisões da Troika.

É ainda com o mesmo desplante que consideram prematuro que em Portugal se aumente o valor do salário mínimo nacional, com um valor que nos envergonha a todos e abaixo do rendimento necessário para se fugir à pobreza.

Mas a pérola principal da grande porca em que se transformou a Troika é a de procurar convencer os nossos políticos, com ajuda dos seus aliados da propaganda jornalística, em alterar as leis do trabalho, retirando o pouco que resta de alguma dignidade na actividade profissional. 

Como se tem visto, as más leis que existem, mas que são pérolas comparadas com a porcaria que essa gente defende, não impedem o grande aumento do desemprego, a precaridade profissional, a fuga de jovens qualificados para o estrangeiro  ou o aumento descontrolado do horário de trabalho, regressando-se, em muitos casos, a realidades do século XIX e o que essa gente defende é ainda pior do que isto.

Como suprema porcaria emanada de tão porcas cabecinhas troikistas estava esta idéia inclassificável de reduzir as indemnizações a quem fosse despedido de forma ilegal.

Para mim o que me surpreende não é que este governo, pela primeira vez, tenha resolvido bater o pé a essa porca gente (ou não tivéssemos eleições à porta!!!).

O que me surpreende é que da cabeça de técnicos ditos “responsáveis”, bem vestidos e bem pagos, pudesse germinar uma tal idéia, bem reveladora da falta de ética e de escrúpulos dessa gente.

Não é, contudo, de admirar que uma tal pérola surja em tais cabeças. É que estamos a falar da cabeças criminosas….sim, criminosas!…basta ler o relatório saído do Parlamento Europeu para se perceber que a troika funciona ilegalmente, à margem dos tratados europeus, sem qualquer controle democrático, sem respeitarem a lei e a Constituição dos países intervencionados, como se tem visto pela forma como eles próprios tratam o Tribunal Constitucional. Ora, quem funciona ilegalmente, é criminoso, não encontro outra palavra...

Mas os técnicos da troika não funcionam totalmente em autogestão, são os mandantes de políticas decididas nas costas dos portugueses, por gente com rosto e que devia ter os conhecimentos mínimos sobre a realidade social, económica e legal do país de onde são originários, como é o caso de um Durão Barroso, líder da Comissão Europeia, de um Victor Constâncio, vice-presidente do BCE, ou de um Victor Gaspar, alto funcionário do FMI, cargo a que ascendeu depois de ter feito o trabalhinho da troika em Portugal.

Por isso, este recuo do governo em relação a uma das mais estapafúrdias ideias dessa troika, não é inocente, é mero fogo-de-artifício pré-eleitoral, nem pode fazer esquecer outras porcas ideias ilegais emanadas dessa troika, e muito menos quem está a dar cobertura a essa gente, nomeadamente os três portugueses referidos acima e que, um dia, se houver justiça, terão de responder pelos crimes e pelos roubos que fizeram aos cidadãos dos seu país.

Sem comentários: