quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A Fábula de Um Coelho que se transformou em Pinóquio

"A pergunta, de resposta simples – sim ou não – está feita: recebeu Pedro Passos Coelho algum vencimento pelo seu cargo de Presidente do Centro Português Para a Cooperação (CPPC), ligada à empresa Tecnoforma, entre 1997 e 1999? Por várias vezes, nos últimos dois anos, o primeiro-ministro recusou responder a esta pergunta" [ler a notícia aqui e AQUI e AQUI] (Público 24/9/2014).

Em 1997, 1998, 1999, Pedro Passos Coelho foi deputado em regime de exclusividade...ou não!!!

Ao longo desse anos Pedro Passos Coelho recebeu um salário da CPPC/Tecnofarma, uma empresa que está a ser investigada por fraudes com fundos eeuropeus, no valor mensal de cinco mil euros...ou não!!!

Pedro Passos Coelho diz que não se lembra se recebeu ou não esse valor...de facto é "dificil "recordarmo-nos que, durante três anos, recebemos ....cinco mil euros mensais, que então valiam muito mais do que hoje: - era apena o dobro do salário de um deputado!!!!!

O problema é que, se de facto ele foi pago nessas datas, violou a exclusividade que invocou para receber um subsidio de "reinserção" de....30 mil euros (+ 30 mil por outros tantos anos de "exclusividade"!!!!!).

Só o simples facto de receber esse subsidio , que então os deputados recebiam, é éticamente reprovável...apesar de ser então legal!!!!

Mais grave ainda é o facto de este ser o mesmo político que andou a dizer que os portugueses andaram a viver acima das suas possibilidades, que convidou os jovens a emigrar, que considerou o desemprego uma oportunidade , que acusou os funcionários públicos e os pensionistas de serem privilegiados e praticou o empobrecimento generalizado do país!!!!!

Mas, pior ainda, se se provar que recebeu aquele valor da Tecnofarma àquelas datas, o Primeiro Ministro não os declarou ao fisco e recebeu indevidamente 30 mil euros!!!!

Sr. Coelho, nós já estamoa habituados às suas mentiras e às suas falácias, mas esta vai ter de nos explicar tim-tim por tim-tim!!!!!

Sem comentários: