domingo, 22 de abril de 2018

A SIC ao serviço de …José Sócrates (!!!???).



Pela minha parte não tenho qualquer dúvida sobre a falta de ética de José Sócrates.

Também acredito que muitas das acusações que se conhecem contra ele são verdadeiras.

Sobre o que penso de José Sócrates, basta explora os nossos tags sob a designação de “anti-Sócrates”, publicado desde que este blog nasceu, em 2008.

Já me questiono é sobre a mediatização do caso.

Aquilo que vi nas reportagens da SIC não mostra nada de novo em relação ao que já se sabia.
A única diferença reside no apelo ao mais reles voyeurismo para aumentar audiências, explorando o mais abjecta tentação do populismo “anticorrupção”. Também já aqui desmascaramos esta tentação num nosso post anterior.

A única coisa de novo foi uma visita às casas de luxo onde viveu José Sócrates em Paris, facto conhecido, mas que agora ganha contornos de “casa dos segredos”.

A outra coisa foi assistir à divulgação ilegal dos interrogatórios, cujo conteúdo já era há muito conhecido, com a diferença que agora assistimos aos mesmos ao vivo, com se de uma telenovela se tratasse.

Aliás, uma jornalista gabava-se e assumia em directo, na SIC, a ilegalidade que cometeu, mas justificava-a com o “interesse público”.

Sempre detestei aqueles que justificam o mau-gosto, a mediocridade e a ilegalidade em nome daquilo que eles acham que é “O gosto do povo” ou como o “interesse público”, como se os jornalistas estivessem acima da lei…

Se, para mim, essas reportagem apenas serviram para aumentar audiências, num canal que atravessa graves dificuldades financeiras, para José Sócrates serviu para se agarrar à ilegalidade do acto e desacreditar a justiça, como já começou a fazer.

Pela minha parte, distingo três coisas: a antipatia que sempre nutri por José Sócrates; a corrupção ética dos actos de José Sócrates (não muito diferente de outros políticos do “centrão”); a necessidade de um julgamento honesto, transparente e fundamento sobre os actos de corrupção de que é acusado.

Não sendo comparável o tipo de ilegalidades de que é acusado José Sócrates que, a provarem-se, devem resultar em penalização exemplar, com o tipo de ilegalidades da SIC, ambas partem de uma mesma origem: a generalizada falta de ética que os envolve a todos, políticos acusados e jornalistas e, até ver, a própria justiça.

Quanto a mim, involuntariamente, ao gabar-se da ilegalidade da divulgação dos interrogatórios, cujas imagens só podem ter sido obtidas com a conivência dos juízes envolvidos, os jornalistas da SIC prestaram um bom serviço a José Sócrates.

Mesmo que esteja queimado politicamente, talvez Sócrates consiga safar os seus milhões e o seu estilo de vida, porque, agora quem fica em cheque é o próprio tribunal, que, além de ter de demonstrar que não pactuou com a ilegalidade da SIC, terá agora de apressar a investigação e o julgamento para mostrar que não resolveu facilitar a vida aos jornalistas porque se encontra num impasse no que se refere à prova dos crimes.

Seguem-se cenas dos próximos capítulos…

Sem comentários: