terça-feira, 19 de março de 2013

NO DIA DO PAI...ou "as palavras que nunca te direi"...





"Pai. A tarde dissolve-se sobre a terra, sobre a nossa casa. O céu desfia um sopro quieto nos rostos. "Acende-se a lua. Translúcida, adormece um sono cálido nos olhares. Anoitece devagar. Dizia nunca esquecerei, e lembro-me. Anoitecia devagar e, a esta hora, nesta altura do ano, desenrolavas a mangueira com todos os preceitos e, seguindo regras certas, regavas as árvores e as flores do quintal; e tudo isso me ensinavas, tudo isso me explicavas. Anda cá ver, rapaz. E mostravas-me. Pai. Deixaste-te ficar em tudo. Sobrepostos na mágoa indiferente deste mundo que finge continuar, os teus movimentos, o eclipse dos teus gestos. E tudo isto é agora pouco para te conter. Agora, és o rio e as margens e a nascente; és o dia, e a tarde dentro do dia, e o sol dentro da tarde; és o mundo todo por seres a sua pele. Pai. Nunca envelheceste, e eu queria ver-te velho, velhinho aqui no nosso quintal, a regar as árvores, a regar as flores. Sinto tanta falta das tuas palavras. Orienta-te, rapaz. Sim. Eu oriento-me, pai. E fico. Estou. O entardecer, em vagas de luz, espraia-se na terra que te acolheu e conserva. Chora chove brilho alvura sobre mim. E oiço o eco da tua voz, da tua voz que nunca mais poderei ouvir. A tua voz calada para sempre. E, como se adormecesses, vejo-te fechar as pálpebras sobre os olhos que nunca mais abrirás. Os teus olhos fechados para sempre. E, de uma vez, deixas de respirar. Para sempre. Para nunca mais. Pai. Tudo o que te sobreviveu me agride. Pai. Nunca esquecerei".



José Luís Peixoto

In Morreste-me, Lisboa, Temas e Debates, 2001

                              

(outros excertos ditos por Luis Peixoto)              




segunda-feira, 18 de março de 2013

"Eurogrupo assalta cidadãos cipriotas" - ...ESTA "EUROPA É UM NOJO" :



O que se passou este fim de semana na reunião dos ministros das finanças do Eurogrupo é inqualificável.

Livres da liderança sensata de um Claude Juncker, o bando de assaltantes em que se tornaram os ministros das finanças da União Europeia decidiram fazer aquilo a que ninguém se tinha atrevido fazer desde os anos 30 num país democrático e civilizado, o de ir às pequenas  poupanças dos seus cidadãos para pagar o resgate dos bancos.

Foi essa a decisão tomada em relação a Chipre, decisão tomada cobardemente a coberto da madrugada de Sábado, quando toda a gente dormia e os bancos estavam fechados.

Decidiu essa quadrilha de assaltantes do Eurogrupo que taxar directamente os depósitos dos cidadãos cipriotas, fosse qual fosse o montante depositado, ou seja, depósitos inferiores a 100 mil euros serão imediatamente saqueado em quase 7% do valor que lá tiver,  assalto que sobe para os 10% para valores acima dessa quantia.

Como afirma hoje Rui Tavares na sua crónica do Público, essa decisão profana “o território sagrado de garantias bancárias para os pequenos aforradores, que desde Roosevelt têm servido para impedir corridas aos bancos”.

Já este fim-de-semana  Sharon  Bowles, presidente da comissão dos assuntos económicos e monetários do Parlamento Europeu, manifestou-se “horrorizado” com esta “retirada do dinheiro dos depositantes” cipriotas, por roubar aos “pequenos investidores” a “protecção que lhes foi prometida”, acrescentando que “se fosse um banco “ a fazer isto, estaria “ em tribunal por venda enganosa”.

Está provado que, com esta gentalha que temos a dirigir os destinos Europeu nada está garantido, os compromisso assumidos com os cidadãos nada valem e tudo passa a ser possível.

Também se escrevia ontem nas páginas do Público que aquela irresponsável decisão, além “de ter rebentado com a protecção dos depósitos até 100 mil euros”, uma garantia que estava assegurada desde longa data, “quebra outra regra sagrada: até ontem os membros garantiram firmemente que a participação dos privados no programa de ajuda à Grécia – através de perdas impostas aos detentores privados da dívida – constituía um caso único e irrepetível nos outros países sob programa de ajuda”.

A quebra continuada da palavra e dos compromisso por parte desses bandidos  também não  pode descansar os cidadãos de países da Europa, como Portugal, quando agora ouvem da boca dessa gente sem palavra e sem vergonha que “medidas semelhantes” às tomadas em Chipre “não estão a ser equacionadas para outros países”!!!.

Que aquela ideia tivesse surgido na cabeça de um dos muitos loucos e irresponsáveis que lideram países da União Europeia, ainda se podia perceber. Que em defesa dessa medida logo tivessem aparecido a srª Lagarde, a srº Merkel, o idiota Rampuy e o tenebroso Ollie Rhen, é a prova acabada que esta não foi apenas uma decisão desastroso ou tomada de forma apressada e leviana, mas foi sim uma decisão pensada e “responsável” por parte dessa gente e que, se resultar em Chipre, que pode funcionar como cobaia, será aplicada em países como Portugal.

A partir de agora, quem puder, deve rapidamente deixar de investir nos países da zona euro, trocar a moeda em euros por outra moeda que lhe dê mais garantias e não se deve preocupar em poupar seja o que for, muito menos em euros, porque, mais tarde ou mais cedo, sabendo-se que o fracasso das medidas de austeridade vai obrigar a novos resgates, esta medida tomada em Chipre vai servir de modelo e é uma  forma “fácil” de sacar o dinheiro aos cidadãos. Essa gente que está á frente dos destinos da Europa não hesitará em estender aquela medida a outros países europeus.

Está lançada a desconfiança sobre o Euro, marcando-se assim, desta forma criminosa e irresponsável, a irreversibilidade da decadência dessa moeda.

É tempo dos cidadãos europeus, em especial os dos países do Sul se unirem e procurem, não só alternativas a este descalabro económico-social como à aplicação daquela medida para outros países, como defende o interessante artigo que transcrevemos em baixo:


Dominio público » El ‘experimento Chipre’: depósitos acorralados por rescates bancarios

sexta-feira, 15 de março de 2013

TARDE DE INVERNO EM SANTA CRUZ











VAMOS CORRER COM ESTA CORJA DE BANDIDOS, ANTES QUE ELES ACABEM COM O PAÍS?? : Governo agrava recessão para 2,3% e desemprego aproxima-se dos 19% este ano .

Segundo as previsões do Gaspar, em 2013 o desemprego em Portugal vai aproximar-se dos 19%, o PIB vai cair mais de 2%, a recessão vai aproximar-se dos 3% e o déficit vai chegar quase aos 6%!!!
E isto são as previsões do governo...a realidade acaba sempre por ser pior.

É o reconhecimento do falhanço total das políticas deste governo e da receita de austeridade imposta pela Troika, pelo FMI, pelo  BCE, pela Comissão Europeia e pela srª Merkel.

E agora?..vamos alegremente continuar a ver e sociedade e a economia portuguesas a serem destruidos? ...é tempo de ragir e correr com esta corja...VIVA PORTUGAL, porra!!!!

O LADO "NEGRO" DO PAPA "BRANCO"...



Não sendo crente, embora baptizado, considero que a eleição de um novo papa é importante pela influência que as suas acções podem ter em sociedades, como a portuguesa, onde cerca de 80% dos seus habitantes se declaram católicos.


Existem sempre duas áreas onde a acção e a influência de um líder da Igreja me merece especial atenção: a relação com a sociedade e a politica, por um lado, e a relação como os valores e os costumes, de outro. 


Empiricamente costumo avaliar a maior ou menor simpatia pessoal pelos membros da Igreja com base naqueles dois critérios. A Igreja hoje, pelo menos em Portugal, tem uma atitude muito mais progressista em termos sociais do que noutros tempos e tem tido um papel importante na denuncia dos efeitos da austeridade sobre a vida dos cidadãos, para além de ter um papel importante no apoio aos mais desfavorecidos.


Já no que respeita aos valores e costumes, nomeadamente em temas como o aborto,  a eutanásia ou a homossexualidade, estou radicalmente em oposição com aquilo que essa igraja defende, embora reconheça que, neste campo, me parece que a Igreja portuguesa tem, apesar de tudo, uma atitude mais ponderada que aquela que nos chega do Vaticano e de outras Igrejas.


Por tudo isso fui daqueles que recebi com alguma simpatia inicial a nomeação do cardeal argentino como papa. Na impressão do momento pareceu-me uma pessoa ponderada, com sentido de humor, revelando alguma humildade, fazendo-me lembrar a postura de um João XXIII ou de um João Paulo I.


Contudo, à medida que se foi conhecendo as atitudes passadas do novo Papa, comecei a duvidar dessa primeira impressão.


Uma das situação mais obscuras desse passado prende-se com a sua relação com a ditadura militar argentina no final do século passado.


Penso que essa deve ser uma das primeiras situações que o novo papa deve aclarar para ganhar maior credibilidade junto de crentes e não crentes.


Até lá deixamos aqui algumas notícias sobre esse passado, referido por várias fontes latino-americana. Embora não abonando muito a favor do seu passado, não deixam de ser significativas, contudo, as afirmações do antigo padre  brasileiro, Leonardo Boff, a figura mais mediática da chamada Teologia da Libertação, em defesa do passado do papa Francisco:

- a crónica de Horacio Verbitsky sobre o passado do actual papa pode ser lido AQUI;

- Estela de La Cuadra, tia de um bébé desaparecido durante a ditadura militar, denuncia AQUI a atitude cobarde do actual papa em relação ao pedido de ajuda da sua famíla na época da ditadura militar argentina;

- a imprensa argentina, afecta à actual presidente, denuncia AQUI a atitude do agora papa em relação á ditadura militar;

- e, por último, as afirmações de Boff em defesa do papa e contestando aquelas acusações.
 

quinta-feira, 14 de março de 2013

O SOM DO DIA - 696 - YES - I Get Up I Get Down


O SOM DO DIA - 695 - Yes - Yours Is no disgrace live 1972 (Yessongs)


O SOM DO DIA - 694 - Yes - Soon


O SOM O DIA - 693 - Yes - Symphonic - And you and I -


O SOM DO DIA - 692 - Yes - Owner Of A Lonely Heart


“Salvámos os bancos mas estamos a correr o risco de perder uma geração” .

Quem o disse foi o Presidente do Parlamento Europeu, o social-democrata alemão Martin Schulz.

Aquilo que ele afirma vai ao encontro dos que afirmam muitos dos críticos da actual situação europeia e da receita de austeridade que está a ser imposta pela Comissão Europeia, pelo BCE e pela srª Merkel aos países em dificuldade.

Na mesma semana, aliás, um outro líder europeu, o ex-presidente do eurogrupo, o sr. Juncker, um dos poucos líderes decentes da elite que dirige os destinos da Europa, e dos que desde há mais tempo alerta para os efeitos sociais devastadores provocados pelo modelo "austeritário" imposto aos cidadãos e aos trabalhadores europeus, alertava para o renascimento dos velhos fantasmas nacionalistas que deliceraram a Europa na primeira metade do século XX, responsabilizando a atitude alemã para com a Grécia como estando na origem desse renascimento que já está a incumbar os ovos de serpente que ameaçam o futuro da paz neste continente.

Também nesta semana se recordou o 60º aniversário dos acordos de Londres que decidiram perdoar metade da dívida alemã e rescalonar a restante  num prazo de pagamento em cerca de 50 anos, tendo sido a Grécia, um dos países que mais sofreu com a invasão nazi e a quem a Alemanha mais devia pelos estragos provocados, uma das que aceitou o perdão à Alemanha. Com esse perdão e com a ajuda do Plano Marshall a Alemanha tornou-se a potência que conhecemos. Depois, convém também recordar, quando se deu a unificação no final do século XX, mais uma vez pode contar com o apoio e o sacrifício dos europeus para levar a bom termo essa difícil tarefa.

É util recordar aqui esses três acontecimentos, na véspera do dia em que o país de prepara para receber mais más notícias e austeridade imposta por uma troika liderada pelos interesses financeiros e políticos alemães, e executada entre nós com o colaboracionismo de govenantes que funcionam como meros "gauleiter" às ordens germânicas.

quarta-feira, 13 de março de 2013

SEGUIR EM DIRECTO DA PRAÇA DE S. PEDRO A APRESENTAÇÃO DO NOVO PAPA: C'è il Papa, la diretta da Piazza San Pietro|Diretta video

JÁ FOI ESCOLHIDO O NOVO PAPA: ‘Fumata’ blanca en San Pedro | Internacional | EL PAÍS

Agora já se pode consultar todos os 700 primeiros albuns da MARVEL:

A Marvel é uma daas mais prestigiadas editoras do comic norte-americano e marca a história da banda desenhada naquele país.

Não se pode perceber a cultura norte-americana sem conhecer os super-heróis criado pela Marvel. A ela estão lgados alguns dos mais criativos autores daquele país.

Pessoalmente sempre preferi a banda desenhada franco-belga e, da banda desenhada norte-americana, sempre apreciei mais os cartoons e tiras humoristicas como os Peanuts, o Feiticeiro de Id  ou o Calvin & Hobbes, entre outras.

Mas, para quem quer conhecer a história da BD, tem agora oportunidade de aceder às primeiras 700 obras editadas para Marvel, através do site referido na notícia em baixo. Boa diversão:

segunda-feira, 11 de março de 2013

Projecto Europeu: ¿Una década perdida? >> Ruinas griegas >>

 Onde se conta a história de uma década de destruição do ideal de desenvolvimento, humanismo e solidariedade europeia, uma década perdida comandada pela batuta da srª Merkel, do BCE, da Comissão Europeia e que teve com vítimas colaterais, por agora, os povos e cidadaãos da Grécia, da Irlanda, de Portugal e, a caminho, da Itália e da Espanha e , a prazo, da França , até acabar na Alemanha...

UM POEMA DE ANTÓNIO RAMOS ROSA :



NÃO POSSO ADIAR O AMOR

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração

António Ramos Rosa,
em "Viagem Através de uma Nebulosa"