sexta-feira, 20 de abril de 2012

Banca da Dinamarca rasga contratos com a agência Moody's - Economia - PUBLICO.PT

1 comentário:

Anónimo disse...

Os governantes sonham em engrandecer o País, desta vez é o Coelho e a Assunção Cristas, que fazem parte do sonho do nosso primeiro; Assunção em sonhos vê favas, amêndoas, abacaxis, etc... e já pensa fazer um investimento para colocar os jovens sem emprego, a produzir estes produtos e o Coelho quando acorda, cai nele e vê quão ignorante tem sido por não ter já tomado medidas na Agricultura e Pescas; do que abaixo escrevo parece que estou em sintonia com a nossa produção:
SONHO MEU
-
Desceu a receita fiscal
e a Segurança Social
está quase a ir ao fundo
todo o processo imundo;
-
já diz um economista
um não à austeridade
ele está sendo realista
a males da sociedade!
-
diz um Passos Coelho
qu'é preciso fazer mais
p'ra arrumar todo velho
e os novos não geniais!
-
e vou descer uma taxa
a da Segurança Social
par ver se mais encaixa
patrão que já está mal!
-
vou na função pública
pô-los a chupar tubos
p'ra qu'esta República
seja fértil nos adubos!
-
e vem de lá a Cristas
vem a sorrir radiante
diz ao Coelho avistas
mais terra p'ra diante?
-
e o Coelho a consola
vendo os verdes prados
faz disto uma Angola
mal de nossos pecados!
-
eu aposto no abacaxi
diz Cristas que é amor
vendo-o d'ananás aqui
já tem o preço melhor!
-
vejo além as oliveiras
não sei o que aquilo é
e já pus nas algibeiras
os seus grãos de café!
-
e nisso que tu pensavas
Coelho de três maneiras
vou vender todas favas
que dão as alfarrobeiras!
-
e uns berlindes a rolar
eu vou dar aos meninos
qu'amendoeiras vão dar
redondos e pequeninos!
-
Barragem do Caldeirão
está cheia de salmonelas
mas que belos peixes são
para rapazes e donzelas!

vê Coelho o investimento
e sonhando com Angola
das culturas de momento
toda a Assunção consola!
-
e quando o Verão chegar
diz a um Coelho jocundo
teremos o preço sem par
em frutos de teu mundo!
-
e o Coelho dá um grito
pelo que tinha sonhado
vou ser um coelho frito
cozido e até bem assado!
-
Eugénio dos Santos