segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Os Melhores Cartoon's para o Dia de Halloween





Hoje somos 7 biliões...amanhã...muitos mais!

O habitante nº 7 biliões nasceu hoje oficialmente nas Filipinas, uma menina.
O rápido crescimento demográfico das últimas décadas começa a ser um problema, não apenas da sobrevivência da espécie, mas também de sobrevivência da própria vida na Terra.
Embora os demógrafos prevejam um crescimento mais lento a partir de agora, a quantidade de habitantes na Terra pode tornar-se um factor de grande instabilidade social, de agravamento das condições de vida das populações, pelo crescente envelhecimento, pela falta de alimentos, agravando as já de si preocupantes condições ambientais, aumentando a destruição da biodiversidade.
Só uma alteração profunda dos modelos de vida em sociedade pode resolver essa situação.
O jornal El Mundo editou on-line um interessante dossier sobre o assunto que pode ser lido em Baixo:

A Revolta das Elites, ou como é que o poder financeiro se apoderou do poder político

(Um dia perguntaram á srª Thatcher qual tinha sido o seu maior êxito político, ao que ela respondeu: "Anthony Blair")


Gerardo Pisarello, professor de direito constitucional na Universidade de Barcelona, acaba de publicar um ensaio onde analisa o processo pelo qual as doutrinas económicas neo-liberais se incorporaram progressivamente nas Constituições ocidentais e o modo como influenciaram as ideologias políticas, mesmo a social-democrata e a trabalhista, no sentido de levar o poder financeiro a controlar a acção governativa.
A análise desse ensaio pode ser lido nesta reportagem do El Publico:

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Continua a decorrer a 22ª edição do festival internacional de BD da Amadora

Inaugurado no último fim-de-semana, o festival Amadora BD vai decorrer até ao próximo Domingo 6 de Novembro.
Neste festival de banda desenhada pode apreciar-se, segundo as palavras do director do evento, Nelson Dona, «uma galeria de personagens durante toda a história da banda desenhada que permitem ao público perceber o que foi o humor na banda desenhada e em que é que a banda desenhada contribuiu para a sociedade e para as artes com o humor».
O destaque deste ano vai para as comemorações do 60º aniversário da série Peanuts, que trouxe à Amadora, no passado Domingo, Jean Schultz, mulher do criador daquela série, Charles Schultz.

Fotogaleria do "Público" sobre a anunciada reactivação das mina Moncorvo

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

DIAS DO FIM DA EUROPA - 5 - ...A cimeira dos inúteis...


Mais  uma vez, o destino do euro, da Europa  e, principalmente, dos cidadãos europeus, foi adiado.
A única preocupação foi “acalmar os mercados” e “dar o ouro ao bandido”, isto é, adiar a recuperação económica das empresas produtivas, tirar direitos aos trabalhadores e dinheiro aos contribuintes europeus para salvar os responsáveis pela situação actual, o sistema financeiro e os seus agentes bancários.
Continuar a encher os bancos com dinheiro dos europeus, para pagar os juros especulativos dos mercados financeiros, para manter as regalias dos administradores dos bancos, e dos seus empregados na política, e premiar a ganância especulativa dos seus accionistas, garantindo-lhes os lucros depositados em paraísos fiscais, foi essa, no fundo a “grande decisão” da cimeira europeia da última madrugada, ao reforçar os fundos do Fundo de Estabilização e ao tomar medidas de “recapitalização” dos bancos.
Mais uma cimeira de inutilidades, para "apagar fogos" conjunturais, sem um rasgo de imaginação para pensar o futuro da Europa.
Para os Bancos e o sector financeiro, um “Plano Marshall”, para os cidadãos da Europa, a austeridade de um “Tratado de Versalhes”…

...isto vai acabar mesmo muito mal!

O Som do Dia - 8 - ...uma amostra do novo trabalho de Jorge Palma..

No dia da estreia do "Tintin" de Spielberg.


Podem ler em baixo uma entrevista com Steven Spielberg sobre o filme "As Aventuras de Tintin - O segredo do Licorne", hoje estreado em Portugal:

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

O Cartoon do Dia: ...uma cimeira ou uma palhaçada?

(fonte: EL País)

Vão-se os dedos...fiquem os anéis



Uma empresa, pequena, média ou grande, pode abrir falência e fechar. Nada que, infelizmente, não aconteça todos os dias, e cada vez mais, com graves consequências sociais para quem nelas trabalha e, muitas vezes, para os próprios empresários.

Se perguntarem o porquê a um economista ou a um comentador, estes acharão isso normal, como algo intrínseco à sociedade de “livre concorrência” onde vivemos.

Uma escola, um centro de saúde, um hospital, uma esquadra da polícia, podem encerrar, nada que não aconteça cada vez maior frequência.
Se perguntarem o porquê a um economista ou a um comentador, estes acharão tudo isto normal, em nome da racionalização e do combate ao déficit público.

Uma pessoa pode ficar desempregada, falir, ficar na miséria. Nada que, infelizmente, não aconteça todos os dias, e cada vez mais.

Se perguntarem o porquê a um economista ou a um comentador, estes acharão tudo isso normal, respondendo com as contingências do “livre mercado” ou a da “desadequação” dessa pessoa às necessidades concorrenciais da sua actividade profissional, ou até como uma consequência do “excesso” de direitos e da “preguiça” dos trabalhadores .

Agora, quando se fala na falência de um banco, a história pia mais fino.

Se um banco se meteu por negócios menos claros, branqueando dinheiro sujo ou comprando activos tóxicos, se geriu desastrosamente os sue fundos de capital, ou se andou a oferecer crédito ao desbarato, metendo-se num esquema à “Dona Branca”, para obter, assim, lucros rápidos para agradar à ganância dos seus accionistas e administradores e se depois a coisa correu mal, aqueles mesmos economista e comentadores responderão que “aqui del-rei” que é preciso salvar os accionistas e os banqueiros, sem os quais “o sistema não funciona” .

Os mesmos que negam a ajuda a empresas em dificuldade e criticam o “deficit financeiro” para ajudar os desempregados, e que criticam a “rigidez” dos direitos de quem trabalha, vão defender, com “unhas e dentes”, a manutenção dos bancos desacreditados e falidos, à custa dos contribuintes e de cortes drásticos nas condições de vida de quem trabalha e produz.

…é caso para dizer que, com as elites políticas que dominam o país e a Europa…vão-se os nossos dedos, mas ficam os anéis deles…

O Regresso de Tintin


Na véspera da estreia em Potugal do filme de Steven Spielberg, "As Aventuras de Tintin - o segredo do Licorne", aqui deixamos uma reportagem sobre o lançamento do filme na Bélgica, que neste último fim-de-seman, contou com a presença do conhecido realizador:

Le Figaro - Cinéma : Spielberg: «Je pense que Hergé aurait adoré le film!»

Sítios de Portugal - 1 - S. Pedro de Moel (Outubro de 2011)
















Mais um episódio da guerra desencadeada pelo poder financeiro contra a Europa:Afinal, o Goldman Sachs manda no mundo?

 Na guerra desencadeada pelo poder financeiro contra os cidadãos e trabalhadores europeus, o banco Goldman Sachs desempenha um papel central na imposição do modelo de desregulamentação e destruição da estabilidade social europeia.

Neste artigo, que pode ser lido em baixo, fica claro o objectivo do poder financeiro, assim como ficamos a saber quais são os principais agentes da estratégia financeira desse banco na União Europeia, onde se destaca o nome de Mario Draghi, indigitado para substituir o incompetente sr. Trichet à frente do BCE.

Também existem nomes portugueses nesse jogo de influências: um António Borges, director departamento europeu do FMI, com grande proximidade ao o actual ministro das finanças de Portugal, Carlos Moedas, secretário de estado adjunto de Passos Coelho e António Horta Osório, presidente do LLoyds Bank .

O artigo revela ainda a acção e as ligações do Goldman Sachs a Portugal.

Lendo com atenção o artigo, que pode ser consultado clicando em baixo, vê-se que não estamos perante mais uma teoria da conspiração, mas perante uma bem documentada reportagem que nos alertas para um dos pilares da actual guerra mundial lançada pelo poder financeiro contra os povos do mundo.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

DIAS DO FIM DA EUROPA 4 Paul Krugman escreve sobre a crise Europeia


No dia anterior a mais uma inutil cimeira europeia, vale a pena ler o artigo de Paul Krugman hoje publicado no El Pais.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O regresso de Tom Waits:

A Líbia como tema de cartoonistas


A forma pouco digna como os vencedores da revolução Líbia têm tratado os vencidos, para além de, nalguns casos, como na morte de Kadhafi, prefigurar um crime de guerra, punível à luz do direito internacional, não augura nada de bom sobre o futuro daquele país.
É caso para afirmar que os rebeldes não revelaram uma grandiosidade moral superior à atitude sanguinária do regime que derrubaram, revelando, pelo contrário, que desceram ao nível de Kadhafi.
Aliás, deve-se seguir com alguma curiosidade a acção do Tribunal Penal Internacional que, neste caso, joga muita da sua credibilidade.
Apesar do drama de uma guerra civil sanguinária, de parte a parte, não ser um assunto que possa propiciar muita esperança, o tema não deixou de, nos últimos tempos, inspirar cartoonistas, um pouco por todo o mundo.
É uma pequena amostra desses cartoons, que muitas vezes nos convidam a uma reflexão muito mais séria sobre os assuntos que retractam do  que páginas e páginas de reportagens, que aqui divulgamos: