quinta-feira, 31 de março de 2011

UM BLOGUE NOVO E ...Refrescante: Shall we blog?: Chegou o verão...

Shall we blog?: Chegou o verão...: "Claro que só estamos no principio da primavera mas o dia amanheceu com o ar azul dos dias de verão. Deve ser por isso que em tem..."

RESPIGOS DA CRISE - 12 - FERNANDO SOBRAL : A pequena marcha.

RESPIGOS DA CRISE - 11 - Daniel Oliveira: A Fitch e o abuso de poder.

A Fitch e o abuso de poder - Expresso.pt (clicar para ler a crónica).

António Barreto: Crise política é “golpe” de Sócrates para se vitimizar.

Massacre Financeiro

Portugal está a ser alvo do ataque criminoso dos piratas das finanças.

Quando até empresas sólidas e que mantêm lucros fabulosos, apesar da crise, estão debaixo de fogo desses criminosos das empresas de rating, seria caso para questionar a credibilidade dessas mesmas agências, o que, aliás, já foi feito pelo Congresso dos Estados Unidos.

Contudo, o que é que nós vemos?

O governo esfrega as mãos de contentamento, acusando a oposição, ao ter chumbado o PEC IV, de ter lançado o país no caos, e quase que justificando a atitude dessas agências mafiosas.

A oposição, principalmente aquela que pertence ao chamado “arco do poder”, vê neste ataque especulativo a consequência da irresponsabilidade do governo e …quase que justificando a atitude dessas agências mafiosas.

O Presidente da República, nesta hora grave, assobia para o lado, até porque, segundo o próprio já afirmou, não devemos ofender nem irritar o bando de salteadores das agências de rating .

A “Europa”, cada vez mais o “espaço vital” da Srª Merkel, vê na atitude desses arruaceiros do mundo das finanças uma espécie de castigo divino sobre as “etnias” “miseráveis” e “preguiçosos” do sul, e limita-se a assistir, convencida que não é nada com ela, fazendo passar a imagem de uma Europa a duas velocidades e do “salve-se quem puder”.

Ainda ninguém se interrogou sobre a metodologia “científica” dessas empresas de agiotagem ou sobre a seriedade dos seus rankings.

Ainda ninguém questionou o método de assalto dos abutres dessas agências, que é ir destruindo, estado a estado, primeiro a Grécia, depois a Irlanda, agora Portugal,começando pelo elo mais fraco, isolando cada Estado, até chegarem ao cerne da sua ganância, que é o de destruir a credibilidade do euro e o pouco que resta da “Europa Social e Solidária”, fazendo da Europa um oásis de mão de obra qualificada barata e um terreno aberto de “caça” aos lucros especulativos da banca.

Não sei se pensam que esses bandos de hienas se vão ficar por aqui. Virá depois a Espanha, a Itália, a Bélgica… a Inglaterra talvez se safe, por não ter o euro, mas chegará a vez de todos, até da poderosa Alemanha.

Ficam imunes os Estados que estão fora do euro, como a Suécia ou a Dinamarca, ou mesmo da União Europeia, como a Suíça, a Noruega e a Islândia. Esta última, aliás, em recuperação galopante da grave situação financeira que lhe aconteceu. Passa-se assim a mensagem, que devia preocupar os europeístas, segundo a qual é mais fácil ultrapassar a crise se não se estiver ligado ao Euro ou à União Europeia.

Enquanto esses “mercados” continuarem a receber a mensagem segundo a qual, na Europa, não há solidariedade entre Estados, ninguém tenciona travar a sua cavalgada especulativa, pensando que, livrando-se dos países e dos povos incómodos, oferecidos em “sacrifício” para aplacar esses “mercados” e agradando, aceitando e credibilizando as suas sugestões financeiras, não vão atrair sobre si a senha criminosa dessas agências, esses “mercados” prosseguirão a sua actuação de massacre e “limpeza étnica” económico-financeira sobre os Estados soberanos da Europa.

Agora é a nossa vez…amanhã, quando a “Europa” acordar, será tarde de mais.

quarta-feira, 30 de março de 2011

UMA BOA NOTÍCIA - 9 - FRANÇA CONDECORA A FADISTA PORTUGUESA MÍSIA.



A Notícia pode ser lida AQUI.

RESPIGOS DA CRISE - 10 - A crise portuguesa e a política de austeridade, por Paul Krugman

SERÁ QUE O KADAFI NÃO ESTÁ TÃO LOUCO COMO O PINTAM? - La inteligencia de EEUU (CIA) halla presencia de Al Qaeda entre los rebeldes libios.

QUE GRANDE TAXA !!!! - Governo publica portaria com taxa sobre a banca .



O estado vai passar a taxar em...0,05 (!!!!!) o passivo apurado do banco e...0,00015 (não sei se falta algum zero!) sobre o valor total dos "ativos subjacentes"...!!!!
Então é este o "célebre" contributo do sector financeiro para combater a crise que o próprio provocou?
...Devem estar a gozar connosco!!.

A PRIMEIRA IMAGEM TIRADA DE PERTO AO PLANETA MERCÚRIO

...E Siga o Próximo....

Morreu o pintor Ângelo de Sousa

terça-feira, 29 de março de 2011

UM PRÉMIO QUE É UM SINAL DE ESPERANÇA.


Souto de Moura: “Nunca pensei receber o prémio Pritzker” - Cultura - PUBLICO.PT (clicar para ler a notícia).

O “Nobel” da arquitectura atribuído a Eduardo Souto Moura é um momento de esperança para as capacidades deste país.

Os portugueses, quando os deixam trabalhar, investigar e criar, reconhecendo-lhes o mérito através de salários e rendimentos justos, com condições de trabalho e com reconhecimento social das suas tarefas, conseguem ir tão longe como qualquer outro povo.

Assoberbados com impostos cada vez mais injustos, com um modelo único de uma economia de mercado controlado pelos mais ignóbeis interesses financeiros, com uma comunicação social que procura nivelar por baixo, transformando o senso comum em ideologia dominante, com uma classe política de faca e alguidar que só sabe governar com a costa à vista, o prémio de Souto Moura é uma lufada de ar fresco, que nos vem recordar que existe muito mais país para lá do futebol, da crise politica do deficit e da dívida soberana.

Obrigado Souto Moura.









segunda-feira, 28 de março de 2011

A FORMA E A LUZ: Souto Moura vence o prémio Pritzker 2011, o Nobel ...

A FORMA E A LUZ: Souto Moura vence o prémio Pritzker 2011, o Nobel ...: "Souto Moura vence o prémio Pritzker 2011, o Nobel da arquitectura - Cultura - PUBLICO.PT (clicar para ler a notícia)."

RESPIGO DA CRISE - 9 - : Coisas básicas, uma opinião de Fernanda Câncio.




 ...vinda de onde vem, esta é uma opinião a ter em conta.

OS AMIGOS SÃO PARA AS OCASIÕES...:Hugo Chávez lamenta renúncia do "bom amigo" Sócrates - Globo - DN



...e o Kadafi, se não andasse "ocupado", também já tinha manifestado a sua solidariedade para como o amigo português...

Em plena crise de credibilidade, executivos da Moody"s ganharam mais 60 por cento em 2010.



"Concluímos que as falhas das agências de notação foram engrenagens fundamentais na máquina de destruição financeira. As três agências (Moody"s, Standard & Poors e Fitch) foram ferramentas-chave do caos financeiro. Os produtos relacionados com hipotecas [subprime] não se teriam comercializado e vendido sem o seu selo de aprovação. Os investidores confiaram nele, muitas vezes cegamente...".

Quem fez esta afirmação foram os relatores de um inquérito do Congresso dos Estados Unidos à credibilidade dessas agências de pirataria financeira.

Ao que parece os norte-americanos já perceberam o que é que as opiniões dessas agências valem, mas por cá, nomeadamente na Europa, essa gente pouco recomendável continua a beneficiar de toda a credibilidade dos agentes económicos, financeiros e políticos…até quando?

CESAREIA - O Portal das Bibliotecas Eclesiásticas Portuguesas.

CESAREIA (clicar para aceder ao site).

Foi criada no final da semana passada um novo site que deve interessar todos aqueles que se dedicam à investigação e ao conhecimento.
Trata-se de um Portal que une a informação da maior parte das bibliotecas eclesiásticas portuguesas, para já em número de 60, vinte das quais com catálogo já digitalizado. Entre estas, o portal inclui as três melhores bibliotecas eclesiásticas portuguesas, a da Universidade Católica Portuguesa, a da revista jesuíta Brotéria e a do Mosteiro beneditino de Singeverga.
A teologia tem um grande destaque, mas podemos igualmente encontrar importantes referências bibliográficas das áreas da História, da Filosofia, da Literatura, do Direito, da Arte e da Ciência.
 A propósito recordamos aqui que, recentemente, o Vaticano começou a digitalizar os seus 80 mil manuscritos (4o milhões de páginas), já estando disponibilizado o catálogo das obras já digitalizadas em www.vatican.va.

RESPIGOS DA CRISE - 8 - a opinião de Boaventura de Sousa Santos.


"Quem Quer Eleições?

Boaventura de Sousa Santos.

"Há momentos na história dos países democráticos em que a democracia só pode ser resgatada por via referendária. Isso ocorre quando convergem duas condições: a distância entre representantes e representados atinge proporções muito elevadas e o que está em jogo põe em perigo o bem-estar colectivo muito para além das divisões partidárias. Penso que estas duas condições estão presentes na actual situação política do país. As medidas de austeridade e o modo como foram impostas criaram um fosso de credibilidade muito profundo entre os cidadãos e o PS. Mas, ao contrário do que se pode supor, criaram-no também em relação ao PSD pois este, não só esteve de acordo até há bem pouco tempo com as medidas, como não apresenta (e os portugueses sabem que não pode apresentar) nenhuma alternativa real. Os portugueses estão chocados não apenas com as medidas de austeridade como sobretudo com o facto de as decisões nacionais terem sido sequestradas por uma Europa, que bem na lógica neoliberal, considera que os países pobres são pobres por culpa própria e não porque foram empobrecidos num sistema de relações sistémicas que lhes foram desfavoráveis. Neste contexto, as eleições são irrelevantes e até podem ser prejudiciais quando se aprofundam as contradições da política europeia e se abre um espaço de manobra que só um governo em plenas funções pode explorar eficazmente a favor do país. Não admira que nem empresários nem trabalhadores estejam interessados em eleições.

"Não é preciso ser sociólogo para prever que se se fizesse um referendo hoje, a esmagadora maioria dos portugueses seria contra a realização de eleições. Porque se vão então realizar? Primeiro, porque, na impossibilidade da realização do referendo, competiria ao Presidente da Republica assumir a vontade do país e chamar os partidos à razão. Mas, infelizmente, Cavaco Silva é mais parte do problema do que da solução. Segundo, porque uma pequena fracção da classe política, dentro do PSD, pretende não perder a oportunidade de chegar ao poder, não por mérito próprio, mas pela exploração da fragilidade e desorientação dos portugueses. Que o possa fazer impunemente e até com êxito é a prova da baixa intensidade da nossa democracia. Sempre centrada nos seus próprios interesses e com total desprezo pelos dos portugueses, esta fracção tem a seu favor os seguintes argumentos. O PS é um deserto ideológico e por isso a vulnerabilidade do líder significa a vulnerabilidade do “projecto”. É um partido sem condições para discutir a sua rendição e só a lógica do voto útil o salvará de uma catástrofe. O CDS é um catador de migalhas políticas e estará disponível para tudo, diga o que disserem os seus dirigentes. O Bloco de Esquerda cometeu o erro histórico de pensar que havia em Portugal espaço para mais um partido catalizador do voto de protesto e do ressentimento. De facto, só há espaço para um partido e esse é o PCP, que, aliás, o tem ocupado de modo exemplar. Não foi totalmente por culpa do PS que se perdeu a oportunidade histórica de criar uma verdadeira alternativa de esquerda com vocação de poder.

"Os portugueses vão passar por um período em que vão ser objectos da política. Mas, como já sugerido pelas manifestações de 12 de Março, não tardará que venham a reivindicar ser, de novo, sujeitos da política".

Boaventura de Sousa Santos

in Público 22 de Março de 2011

...À Kadafi: - Sócrates denuncia rendição ao FMI.

Sócrates denuncia rendição ao FMI - Política - Correio da Manhã (clicar para ler).

 Eleito "à Kadafi", com mais de 90% dos votos, para continuar à frente do PS (tenho pena da gente boa que existe neste partido...), fez um discurso "à Kadafi", cheio de palavras ameaçadoras, que, vindas de quem vêem, soam a ocas e de puro oportunismo político (então ele é contra o neo-liberalimo? este Sócrates não é o mesmo que nos governa há 7 anos, destruindo o pouco que existia de uma espécie de Estado Providência?).
Confesso que já nem ouço as suas palavras. Já perdi a conta das vezes em que prometeu uma coisa e acabou a fazer exactamente o seu contrário.
Não sei se ele ainda engana alguém com o papão do FMI (cujas medidas preconizadas já foram iniciadas e aplicadas por José Sócrates) ou da direita (onde ele tem colocado as medidas do seu governo...), mas o que sei é que, por esta via, estas eleições, em vez de serem esclarecedoras sobre a situação do país, ou sobre os projectos que os partidos da "área do poder" pretedem aplicar para salvar o país da bancarrota em que estes o colocaram, prometem não passar de um lavar de roupa suja.
Pobre país que está entregue a esta gente!

sexta-feira, 25 de março de 2011

Sondagem dá vitória ao PSD com quase 47 por cento dos votos

Sondagem dá vitória ao PSD com quase 47 por cento dos votos - Política - PUBLICO.PT (clicar para ver notícia e resultados).

...começa a dança das sondagens...

O CARTOON DO DIA....

...Ou o efeito da crise portuguesa na incompetência das liderranças europeias na gestão da crise...
(fonte: The Independent)

ESTA GENTE NÃO PRESTA!



Como é possível que os líderes da União Europeia coloquem condições tão drásticas para o cumprimento das metas orçamentais e para a redução do deficit aos países mais fragilizados, deixando os juros da dívida flutuar ao sabor da chantagem dos piratas das agências de rating?

Como é possível que esses líderes tenham permitido que, há dois anos atrás, muitos países se endividassem para salvar os bancos e o sistema financeiro, cuja irresponsabilidade e ganância levou à crise actual, e logo de seguida venham impor medidas económicas draconianas para controlar o deficit que aumentou para salvar os criminosos, e aceitem a chantagem dos “mercados” controlados por esses sectores financeiros?

Como é possível que esses burocratas e políticos imponham as mesmas metas do deficit orçamental, permitindo que os juros da dívida variem constantemente e de forma diferente entre países com a mesma moeda?

Como é possível exigir metas comuns, exigindo sacrifícios a todos para as atingirem, permitindo que, em países com a mesma moedas, existam tantas disparidades quanto às condições de trabalho, reformas, preços, salários e impostos?

Como é possível que esses incompetentes, (excluindo o Parlamento Europeu que não tem quase poder nenhum) que não têm qualquer legitimidade democrática para tomar as decisões que tomam, penalizando todos os cidadãos e destruindo o Estado Social, incapazes de tomar medidas que travem o desemprego e melhorem as condições de vida dos europeus, continuem a pactuar com a existência de off-shores, autênticas “casa de alterne” do sistema financeiro, que assim consegue tornear o pagamento dos impostos devidos, ao mesmo tempo que continua a ser financiado a juros baixos pelo BCE, lucrando com a especulação da constante subida de juros no financiamento da economias em dificuldade e com as ajudas e benesses que obtêm dos estados, à custa da crescente penalização dos contribuintes?

De facto, esta gente que governa a União Europeia não presta e é urgente, antes que nos afundem a todos no desemprego e na miséria que os cidadãos europeus encontrem forças para um movimento generalizado de indignação.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Manifestação em Bruxelas.

Milhares de sindicalistas e trabalhadores manifestaram-se hoje em Bruxelas, tendo sofrido uma carga policial.
O impacto desta manifestação obrigou os dirigentes da União Europeia a reafirmarem a sua preocupação em combater o desemprego e a irreversibilidade do Estado Social no modelo europeu.
















(Fonte: Le Soir de Bruxelas)