quarta-feira, 14 de setembro de 2016

(Barroso, um nojo de politico):"Por Favor, não nos confundam com o sr. Barroso"

Durão Barroso tem vindo a comportar-se, na sua longa vida política, como o estereótipo de tudo aquilo que mais abominamos na vida política : o carreirismo e o oportunismo, para além do abuso da  paciência cívica dos cidadãos cumpridores e trabalhadores, ao tomar atitudes que atingiram negativa e dramaticamente a vida desses mesmos  cidadãos e contribuíram para desprestigiar uma instituição, como a União Europeia, que tanto sacrifício exigiu para ser construída.
Durão Barroso está ligado a alguns dos mais negros episódios da história recente, como a célebre cimeira das Lajes, que conduziu o mundo para o desastre actual, e o programa de austeridade imposto aos cidadãos trabalhadores e honestos da Europa para salvar  e manter o corrupto sistema financeiro europeu.
A sua incompetente passagem pela presidência da Comissão Europeia contribui igualmente para a decadência do projecto europeu e para o arrastar do criminoso processo dos refugiados.
Não é por isso de espantar a sua grande falta de escrúpulos em aceitar o emprego no mafioso grupo financeiro que dá pelo nome da Goldman Sachs.
O que é de espantar é a reacção do politburo de Bruxelas, nomeadamente do sr. Juncker, o sr. “Luxleaks”.
….gente eticamente corrupta que critica outro eticamente corrupto…tem mil anos de …corrupção ética!!!????

(Em baixo transcrevemos a notícia editada pelo "Diário de Notícias" de hoje):
 
"Trabalhadores públicos das instituições europeias esperam que Barroso "entenda que errou". Durão "vai trabalhar para o outro lado".
 
"Os funcionários europeus vieram demarcar-se do "gesto" de Durão Barroso ao aceitar um cargo no banco que consideram responsável pela crise que se abateu sobre a Europa. Em declarações ao DN, um dos funcionários do grupo informal que lançou uma petição para que o português perca todas as regalias do cargo que exerceu em Bruxelas pede "por favor" para não serem confundidos com o ex-presidente da Comissão Europeia.
 
"O que queremos é dizer às pessoas, por favor, não pensem que somos todos como o nosso ex-presidente. Já chega sofrermos pela má reputação do trabalho que se faz em Bruxelas. Somos acusados de trabalhar para os grandes grupos ou para os lobistas, mas também temos pensamento próprio e também somos cidadãos europeus e consideramos que há coisas que não podem ser feitas", considera o funcionário da Comissão.
 
"O grupo que junta "trabalhadores públicos de todas as instituições europeias" espera que "Barroso entenda que errou ou que o Goldman Sachs perceba que talvez não seja bom [contratar] essa pessoa que tem sido amplamente denunciada".
 
"Numa carta enviada ontem ao atual presidente da Comissão Europeia, Durão alega que levantar "questões de integridade" sobre a sua contratação para o Goldman Sachs são "afirmações sem fundamento e completamente sem mérito" e, além do mais, "são discriminatórias" contra ele e "contra o Goldman Sachs, uma firma regulada que opera no mercado interno".
 
"Porém, os funcionários dizem--se "chocados" e consideram que "o gesto de Durão Barroso é uma traição aos interesses europeus e às instituições europeias".
 
"Estamos profundamente chocados com esta mudança e com este desejo em particular de trabalhar para um banco privado internacional, que esteve no centro da crise do subprime que, na realidade, levou centenas de milhares de milhões de cidadãos europeus a ter problemas económicos e sociais", afirma o funcionário que, sob anonimato, aceitou falar com o DN.
 
"Saber que o homem que foi nosso presidente durante dez anos e por quem nós demos plenamente o nosso trabalho vai agora trabalhar para o outro lado... não podemos aceitar", afirma o funcionário da Comissão, acrescentando que "o Goldman Sachs tem sido o inimigo do bem-estar europeu e da construção europeia".
 
"Barroso defende-se das acusações dizendo que, do ponto de vista legal, foi "extremamente cuidadoso para assegurar o estrito cumprimento das regras da Comissão", quando aceitou o contrato. "Fui para o Goldman Sachs 20 meses após o fim do meu mandato, um período que excede o alargado período de nojo de 18 meses (antes 12 meses) instituído por mim durante a minha presidência", escreve o antigo presidente da Comissão.
 
"No entanto, os funcionários esperam que "o relatório do comité de ética", lançado pelo presidente Jean--Claude Juncker, no âmbito deste caso, se traduza na "conclusão de que algumas medidas têm de ser adotadas contra o senhor Barroso".
 
"Rangel ataca Juncker
 
Já o PSD continua a sua defesa do seu ex-líder, em Portugal e na Europa. O vice-presidente do Partido Popular Europeu Paulo Rangel defendeu ontem que não se pode transformar a ida de Durão Barroso para o Goldman Sachs numa "questão política" e que a Comissão Europeia não pode "ter estados de alma, tem de se restringir às leis".
 
"Num ataque à comissão de Junker, Rangel denuncia uma "perseguição pessoal" e uma "fulanização" que é igualmente uma "discriminação", pois "já vimos episódios destes com Mário Monti, com Romano Prodi, com Neelie Kroes e com outros e que após um período de nojo foram para atividades privadas e, nalguns casos, na mesma empresa em que está Durão Barroso e não houve nenhuma destas reações".
 
"Rangel acusa Juncker de estar a ceder aos "populismos de extrema-direita e de extrema-esquerda" e a alimentar "telenovelas" que só servem interesses de "partidos como o da senhora Le Pen ou como o Bloco de Esquerda".
 
"O eurodeputado do PSD alerta também para uma "coincidência muito infeliz de timings". Rangel denuncia que o apoio público manifestado pelo chefe de gabinete de Juncker a uma eventual candidatura de Georgieva coincide com a tentativa de "enfraquecer uma candidatura portuguesa [à ONU], que é neste momento a mais forte".
 
"Para Rangel, a Comissão Europeia "tomou a iniciativa de encorajar uma candidatura da senhora Georgieva e na mesma semana existe a tentativa de procurar apoucar a imagem de um português que teve, até agora, o cargo internacional mais relevante nas vésperas de outro português ter outro."

Sem comentários: