quinta-feira, 2 de junho de 2016

Benjamin Clementine no Coliseu

Não precisou de efeitos pirotécnicos, écrans gigantes ,  sofisticados jogos de luz ou efeito cénicos espectaculares.

Acompanhado por um quarteto de cordas, uma bateria e um contrabaixo, Benjamim Clementine passou a noite ao piano e a sua voz potente e versátil foi suficiente para encher o Coliseu de Lisboa.
 
Mais do que o ver o importante foi ouvi-lo.
 
As condições de som, geralmente problemáticas no Coliseu, estiveram à altura do acontecimento, embora, quanto a nós, este tipo de som se enquadre melhor numa sala como o grande auditório do CCB ou noutra do género, pois precisa de mais intimismo e talvez de um outro público.
 
Benjamin Clementine é um nome a seguir com atenção. Apenas com um álbum gravado, no ano passado, as suas qualidades vocais e musicais, bem como os temas que escolhe para o seu reportório, prometem fazer deste cantor um dos melhores deste novo século.
 
Dentro das limitações de luz,  distância e técnica , aqui fica o registo de alguns momentos desse espectáculo:








 

2 comentários:

Cláudia Oliveira disse...

Boa noite! Permita-me discordar apenas num aspeto do seu texto: tão importante como ouvi-lo é vê-lo também. Estive na primeira fila do Coliseu das duas últimas vezes que o Benjamim ali atuou. Para o ver a cantar e a tocar piano. Não me chegava só ouvir. E a forma como este homem se exprime através das expressões faciais, da forma como bate ou acaricia as teclas do piano, como olha para o público, merece muita atenção. Um homem que toca uma música que considera "uma das duras" e pára para se recompor só merece respeito e admiração porque o que diz não é ligeiro e porque através da palavra cantada desta forma peculiar quer mostrar o seu "grito de humanidade". E agora concordo muito: que numa sala de espectáculos mais pequena esta evidência seria mais visível e o Benjamim seria ainda melhor apreciado.

Venerando António Aspra de Matos disse...

Obrigado pelo seu comentário.