quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Recordando Ettore Scola (1931-2016)


O cineasta italiano Ettore Scola faleceu ontem aos 84 anos.

Foi uma dos realizadores mais importantes do cinema italiano, tendo realizado mais de 40 filmes, alguns deles no âmbito do cinema documental e tendo ganho quase todos os prémios do cinema mundial, em Cannes, em Berlim e em Veneza, para além de um Globo de ouro. Só lhe ficou a faltar um Óscar.

Scola, que se formou em direito, desde cedo se ligou ao cinema  e começou como argumentista aos 22 anos, em 1953.

Em 1964 realizou o seu primeiro filme , "Fala-se de mulheres", mas foi na década de 70 que realizou os seus filmes mais conhecidos, "Feios, Porcos e Maus", em 1975, e "Um Dia Inesquecível", este último com Sophia Loren e Marcello Mastroiani, em 1977.

Para muitos o seu melhor filme foi "O Baile" de 1983.

O último filme que realizou foi dedicado a Fellini, "Que estranho chamar-se Fellini", de 2014.



Infelizmente a maior parte dos seus filmes dos últimos 30 anos são praticamente desconhecidos em Portugal, situação que se deve ao domínio quase absoluto de uma ou duas distribuidoras, enfeudadas ao cinema norte-americano, e ao encerramento de quase todas as salas de cinema independente, bem como da rendição da programação televisiva, com a honrosa excepção do segundo canal da RTP, ao cinema popularucho e d mau gosto.

A forma como a União Europeia abandonou o sector cultural à voragem dos grandes interesses financeiros também não é estranho à falta de divulgação do cinema europeu.

Pode ser que agora alguma televisão ou um dos raros projectos de divulgação do cinema independente se lembre de exibir a obra de Scola.

AQUI ,AQUIAQUI e AQUI podem ler o que, respectivamente, os jornais Público, Diário de Notícias,  Le Monde e  Libération escreveram sobre o cineasta.

FEIOS PORCOS E MAUS: 

UM DIA INESQUECÍVEL:

O BAILE:


Sem comentários: