segunda-feira, 23 de abril de 2012

E AGORA? - HOLLANDE OU SARKOZY? ...o futuro da Europa está em jogo!


Mais do que nunca, O resultado final das eleições presidenciais francesas, sendo uma incógnita, é decisiva para o futuro do projecto europeu.
Uma vitória de Sarkozy é a condenação, a prazo, desse projecto, pelo menos como ele foi imaginado pelos seus fundadores: um espaço solidário, de bem-estar e de respeito pelos Direitos Humanos em toda a sua plenitude (…convém sempre recordar que a Declaração Universal dos Direitos do Homem subscrita pelos aliados no pós-guerra, tanto defende as liberdades formais e a democracia, como os direitos sociais…).
Sarkozy tem-se comportado, na Europa como mero “cão de fila” da austeridade autoritária imposta ao resto da Europa pela srª Merkel, e  em França como instigador da xenofobia e de políticas anti-socias.
Uma vitória de Hollande pode, no mínimo, quebrar o unanimismo neo-liberal das actuais lideranças políticas europeias e pode ser também um sinal de renovação na decadente social-democracia europeia, assim saiba ele demarcar-se dessa nojeira que deu pelo nome de “terceira via” e que conduziu a esquerda europeia ao descalabro actual.
Os resultados da primeira volta deixam tudo em aberto.
A simples soma aritmética dos resultados dos candidatos da direita e da esquerda, dá uma vantagem forte a Sarkozy, apesar de ser desmentida pelas primeiras sondagens realizadas depois da primeira volta.
Sarkozy tem, contudo, um problema: para conquistar o eleitorado da extrema-direita de Marie Le Pen terá de desagradar ao eleitorado centrista, que também tem uma palavra a dizer nestas eleições, apesar de esta tendência ter sido uma das derrotadas da primeira volta ( o centrista François Bayrou, que tinha sido o terceiro candidato mais votado na primeira volta de 2007, com mais de 18% de votos, não logrou desta vez pouco mais que 9% dos votos, sendo ultrapassado pela direita radical e pelo candidato da esquerda Mélenchon).
Aliás, a estratégia de Sarkozy de cativar a extrema-direita acentuando o seu discurso radicalmente xenófobo, revelou-se desastroso, tendo contribuído em parte para legitimar a Frente Nacional.
Também não é garantido que todos os votantes em Le Pen sejam conscientemente   de extrema direita, votando por isso facilmente em Sarkozy. Recorde-se que toda a campanha da de Marine Le Pen foi contra o euro, a União Europeia e a influência da Alemanha , ou seja, contra tudo aquilo que Sarkozy representa.
O mais provável é que uma parte considerável do eleitorado da Frente de Le Pen se abstenha na segunda volta.
Outra parte do voto em Le Pen, mais que a assunção de um projecto nacionalista e de extrema direita, deve ser entendido como um voto de protesto contra o situacionismo, ou seja anti- Sarkozy.
Aliás, o voto de protesto, á direita e à esquerda, (Le Pen e Mélenchon), foi, no seu conjunto capitalizando mais de 29% dos votos, mais do que os 28,3% obtidos pelo vencedor desta volta, François Hollande.
Claro que Sarkozy vai usar todos os meios ao seu dispor, dos mais obscuros aos mais previsíveis (um novo atentado “islamita” vinha “mesmo a calhar”, para além da colaboração dos “mercados” na chantagem contra a esquerda e o apoio da “velha” amiga Merkel…), para encurtar a pouca distância que o separa do candidato socialista.
Vamos ter portanto quinze dias terríveis, mas decisivos para a sobrevivência do processo de construção europeia.
Uma vitória de Sarkozy é o desastre a prazo.
Uma vitória de Hollande é, no mínimo, o regresso da esperança aos cidadãos europeus.

Sem comentários: